sábado, 30 de abril de 2011

20 DIAS DE PRISÃO PARA MAJOR BLOGUEIRO

A Corregedoria Geral Unificada (CGU) determinou a prisão por 20 dias do major PM Luiz Alexandre por ter reproduzido em seu blog, em 2008, notícias sobre a ajuda de milicianos em investigações do delegado Marcus Neves e seus subordinados. O oficial foi acusado de ‘espalhar boatos e desrespeitar autoridades civis’. Já o processo aberto na CGU para apurar envolvimento dos policiais com paramilitares foi arquivado.

Ontem, porém, o corregedor Giuseppe Vitagliano decidiu rever o processo contra o major. “Recebi hoje (ontem) o procedimento e vamos fazer uma verificação. Não posso adiantar nada sobre o caso”, limitou-se a dizer. A prisão do oficial ocorreria nos próximos dias, mas ele está de licença médica e não pode ser detido.

O PM começou a divulgar o assunto após o bombeiro Carlos Alexandre Silva Cavalcante, o Gaguinho, ser preso no prédio da Chefia da Polícia Civil. Ele não era cedido à instituição, mas portava um fuzil da Polinter e estava numa viatura da delegacia. Meses depois, Gaguinho foi morto a tiros.

A Corregedoria da Polícia Civil na época indiciou Neves, dois agentes e Gaguinho por usurpação de função pública e porte ilegal de arma de uso restrito. O ex-PM Herbert Canijo Silva, o Escangalhado, também foi flagrado armado com equipe da Polinter.


ODIA


"Polícia ou Bandido? Vai Saber, Né!?"




sexta-feira, 29 de abril de 2011

Deputados vão aderir à luta dos bombeiros

A luta dos combatentes do fogo.

Enfim deputados estaduais acordaram para a situação de abandono dos bombeiros e guarda-vidas do Estado do Rio de Janeiro. Em reunião ontem à noite na Assembleia Legislativa, dez deputados se comprometeram com líderes do movimento de reivindicação do Corpo de Bombeiros a aderir à manifestação marcada para a próxima terça-feira, às 13h, no Largo do Machado, se a cúpula da corporação e a Secretaria estadual de Saúde e Defesa Civil continuar ignorando a luta dos combatentes do fogo.

O GLOBO

quinta-feira, 28 de abril de 2011

BOA SORTE PARA OS HERÓIS DA CBMERJ


Uma comissão formada por bombeiros se reúne hoje com o comandante-geral da corporação, o coronel Pedro Machado, no 1º GMar - Botafogo.

terça-feira, 26 de abril de 2011

POLICIAIS MILITARES E BOMBEIROS MILITARES PRECISAMOS DE TODOS VOCÊS!




HOJE ÀS 19:00 HORAS EM FRENTE A CANDELÁRIA, A LUTA CONTINUA!!!


JUNTOS SOMOS FORTES.

sábado, 23 de abril de 2011

BOMBEIROS ESTÃO PEDINDO NOSSO APOIO

"Não nos dão protetor solar, equipamentos para trabalhar e nossa barraca não nos protege do sol. Além disso, somos os bombeiros com o pior salário do país - R$950. Acha que dá para piorar? Dá sim: pedimos para falar com o nosso comandante geral, que apenas nos ignora. O governador, por sua vez, também não nos recebe de maneira nenhuma. Só queremos salvar vidas com dignidade. Mais nada".


Nova manifestação do grupo:

Hoje às 10h em frente ao Posto 12 - Leblon



quinta-feira, 21 de abril de 2011

Deputado Flávio Bolsonaro dá voz aos Bombeiros do Rio de Janeiro na ALERJ

Dep Flávio Bolsonaro expõe situação dos Bombeiros Militares, defende suas reivindicações e condena retaliação injusta aplicada sob a forma de transferências desumanas.




PARTE 2

quarta-feira, 20 de abril de 2011

BOMBEIROS PEDEM SOCORRO!!!



ATO PÚBLICO: HOJE DIA 20 QUARTA-FEIRA, ÀS 13H - LARGO DO MACHADO!

terça-feira, 19 de abril de 2011

Blogueiro Ricardo Gama fala sobre atentado e diz que ainda não foi chamado para depor

Um mês após um atentado que sofreu em Copacabana, Zona Sul do Rio, o blogueiro Ricardo Gama ainda se recupera dos seis tiros que levou (dois de raspão). Em entrevista exclusiva ao SRZD, o advogado por formação detalhou os minutos que antecederam o crime e faz uma denúncia: "Até hoje eu não fui chamado para um depoimento formal, para uma perícia, para um exame de corpo de delito. Já faz um mês. Eu nunca recebi uma carta dizendo 'favor compareça...'".

O blogueiro afirma que as investigações estão quase paradas. Afirmou ainda que quem tentou matá-lo não fará novamente, por ter repercutido, mesmo considerando que grande parte da imprensa não está em cima do fato. Sobre a tentativa de assassinato, Ricardo Gama disse que nunca pensou que poderia ser uma vítima, apesar de amigos e leitores já terem avisado do que poderia acontecer por causa de suas opiniões consideradas pesadas contra o governo do estado do Rio de Janeiro.

Ricardo Gama fala que por ter sido do Partido da República, o PR (disse não ser mais), não tira as palavras do governador Sérgio Cabral, em que disse que um morador do conjunto de favelas do Alemão, na Zona Norte da cidade, era otário e sacana. "Quero dizer que os seis tiros que eu tomei são justificáveis por eu ser filiado a um partido. São essas colocações que eu não consigo entender muito bem".

O delegado titular da 12ª DP, Antenor Lopes Martins Junior, responsável pelas investigações do atentado sofrido por Ricardo, informou que não dará informações sobre o caso enquanto as investigações não forem concluídas.



SRZD - Como está seu estado de saúde? Você continua com o tratamento médico?
Ricardo Gama - Estou fazendo tratamento. Eu estou em casa, mas estou em repouso. Estou tentando dar umas "blogadas" de leve. Estou fazendo um monte de exames, o médico vai olhar minha cabeça de novo. O negócio foi pesado, mas estou me recuperando, graças a Deus.

SRZD - Você recebia muitas ameaças antes do atentado?
Já recebi várias ameaças de morte por e-mail, nos comentários do meu blog. Sempre diziam: "Ricardo Gama vai morrer, Ricardo Gama vai morrer", mas eu nunca levei isso a sério. Os amigos já disseram para eu tomar cuidado. Mas o máximo que achava que ia acontecer é eu tomar umas pancadas, alguém me cercar em um beco, me dar um chute. Mas seis tiros, nunca esperava.

SRZD - Você pode relatar como foram os minutos antes de tudo ocorrer?
Ricardo Gama - Eu saí de casa. Parei na banca para comprar dois jornais. Quando eu atravessei o túnel que separa a praça do Bairro Peixoto e a (rua) Santa Clara, eu ouvi um barulho de tiro, aí deram mais cinco tiros. Foram seis tiros ao todo: quatro acertaram em mim e dois foram de raspão. Foi um tiro na cabeça por trás, outro tiro por trás também que acertou minha orelha e destruiu meu maxilar, um no pescoço e um no braço. Eu caí, não conseguia andar, mas estava lúcido. Chamaram o Samu, mas fui ao Copa D'Or, que é do lado. Pedi para ligarem para minha casa. Minha mulher desceu desesperada, me pegaram, me colocaram dentro do carro e me levaram. Tive muita sorte.

SRZD - Você passou a ter um temor maior de represália depois de divulgar o vídeo em que Cabral chama o garoto de otário?
Ricardo Gama - Esse vídeo me deu uma certa notoriedade, inclusive eu sou testemunha no processo de investigação eleitoral há oito meses. Eu não acuso ninguém, mas depois que você leva seis tiros você começa a desconfiar de todos. O que aconteceu comigo foi um crime contra a liberdade de expressão, e que as autoridades deveriam dar prioridade para esclarecer. A gente sabe que quando o governo quer o governo apura. Um exemplo é o caso da escola de Realengo, que foi muito bem apurado. Eles conseguiram até descobrir quem tinha vendido as armas para aquele maluco.

SRZD - Antes do atentado, você ia para a rua e fazia vídeo em cima dos fatos e assim os comentava. Você pretende continuar com esse formato e com a mesma frequência?
Ricardo Gama - Vou continuar, sim. Não vou mudar em nada. Agora, sair na rua, eu saio com mais cuidado, mas só não estou fazendo vídeo, porque eu preciso descansar, mas em breve eu vou voltar ao normal e com mais força. Acho difícil que quem fez esse atentado vai fazer de novo. Se fizer de novo, aí vai ficar complicado. Aí a própria imprensa vai acabar tendo que cobrir.

SRZD - Houve uma mudança entre o Ricardo antes do atentado e o Ricardo depois? Fez você repensar muitas coisas?
Ricardo Gama - Faz a gente ver que mesmo vivendo em 2011, depois de décadas de ditadura, não é tão democraticamente como a gente acha que é. Achei que o máximo que aconteceria com meu blog é ser processado, como já fui uma vez. A gente sabe que existe um grupo de pessoas que está disposto a calar à base de violência. Hoje fui eu, depois é um jornalista, como aconteceu com Tim Lopes. É o preço da notícia.

SRZD - Você, mesmo não sendo da chamada "imprensa oficial", mostrou que muitas coisas não são veiculadas. Os blogs têm pouca visibilidade?
Ricardo Gama - Eu sempre acreditei na internet. A rede é forte, mesmo que meia dúzia de pessoas fiquem incomodadas ao ponto de fazerem o que tentaram fazer. Há um mês atrás saiu uns dados em que as empresas de propagandas investiram mais em sites de notícias do que em impressos. A internet superou e dificilmente os jornais escritos conseguirão ocupar esse espaço. Isso é uma tendência. Mas será que esses veículos irão conviver harmoniosamente? Ela vai trazer benefício e muitos problemas.

SRZD - Você é do PR. A maioria de suas críticas é contra o atual governo do estado. As pessoas criticam isso?
Ricardo Gama - Já fui do PR. Se você pegar meu blog, você vai ver que 80% é crítica ao governo do estado. Quando eu coloquei o vídeo do Leandro, em que Cabral o chama de otário e de sacana, a primeira coisa que o governador veio falar foi que isso partiu de um blogueiro que é filiado a um partido da oposição. Na época eu era do PR. Mas quer dizer então que o fato de eu ser filiado na época ao PR, isso abafa as palavras que o Sérgio Cabral diz? Quer dizer que os seis tiros que eu tomei são justificáveis por eu ser filiado a um partido? São essas colocações que eu não consigo entender muito bem. Até hoje eu não fui chamado para um depoimento formal, para uma perícia, exame de corpo de delito. Já faz um mês. Eu nunca recebi uma carta dizendo "favor compareça...". O médico que fala "entrou uma bala por aqui, entrou uma bala por ali". Os médicos que ficam especulando, e eles não são peritos. Na semana que vem, vou na delegacia. Isso tudo é muito estranho.

SRZD - Está tendo alguma proteção do estado no momento? Se sim, não teme ser protegido por quem você suspeita que tenha te atacado?
Ricardo Gama - Não. Eu tenho minhas teorias conspiratórias, mas eu acho que não. Imagina: blogueiro toma seis tiros e sobrevive. Dois meses depois, toma dois tiros e morre. Eu acho que eu deveria ter proteção, mas o Estado tem condição de dar proteção para mim? Como vou pedir proteção se a maioria da população não tem proteção? A situação está caótica em tudo quanto é lugar. É complicado. Vi uma reportagem dizendo que o Programa de Proteção à Testemunha está falido.

SRZD - Qual o recado que dá para quem cometeu o atentado contra você?
Ricardo Gama - Não existe crime perfeito. Mais cedo ou mais tarde se descobre. Então, não é bom tentar de novo.

SIDNEY REZENDE

sábado, 16 de abril de 2011

PROGRAMA DEBATES CULTURAIS NO DOMINGO, COM A PRESENÇA DO CABO GURGEL

Neste domingo teremos um debate na rádio metropolitana com as presenças da geógrafa, Arlete de Souza Gomes; escritor, poeta e sub-secretário de cultura do município de Nilópolis, Victor Tarcísio Loureiro; do advogado, especialista em legislação do trânsito, Fernando Silvério; do professor universitário e coronel da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Carlos Aguiar; do cabo da Polícia Militar do Rio de Janeiro, João Carlos Soares Gurgel, mais conhecido como CABO GURGEL; do sargento da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Edmar Franco; e do empresário e empreendedor social, Marcelo Alonso.
O programa Debates Culturais é transmitido pela Rádio Metropolitana AM 1090 do Rio de Janeiro, ou na revista eletrônica http://www.debatesculturais.com.br, a partir das 17:00hs. Perguntas e/ou comentários, pode fazê-lo pelo telefone 2176-8282.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Minas Gerais - União e força na manifestação dos PMs e BMs

Policiais e Bombeiros Militares demonstraram união e força na primeira manifestação da campanha salarial e 2011.

terça-feira, 12 de abril de 2011

No vídeo Wellington Menezes de Oliveira conta como planejou o crime na escola em Realengo.

Em Belo horizonte - um circo armado para a punição dos praças e resguardo da imagem de oficiais.

Advogado e parentes de PMs acusados da execução de dois inocentes no maior conjunto de favelas de BH afirmam que há um circo armado na apuração para encobrir oficiais

Na foto que consta do inquérito, militar aparece de luvas ao lado dos corpos


Passados cerca de 50 dias da execução de dois inocentes no Aglomerado da Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, por militares do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam), segundo as investigações, parentes de dois policiais acusados – que não participaram diretamente do crime – denunciam um circo armado para a punição dos praças e resguardo da imagem de oficiais. Um deles é o tenente-coronel Newton Antônio Lisboa, comandante do Rotam, que, de acordo com os denunciantes, esteve no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) poucas horas depois dos assassinatos. Lisboa teria sido avisado das mortes e foi fardado, ainda de madrugada, ao hospital, onde estavam as vítimas, inclusive o soldado Jonas Rosa, que alegava ter sido atingido por um tiro amortecido pelo colete à prova de balas.

Continue lendo - Blog Ponto Zero

Um dos policiais presos por suspeita de envolvimento na morte das duas pessoas em Belo Horizonte, foi encontrado morto em uma das celas no 1º Batalhão da Polícia Militar. PORTAL G1

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Parabéns Capitão Assumção


Que Deus te ilumine, todos os dias de sua vida.
Feliz Aniversário!

PMs que atuaram na tragédia de Realengo SERÃO PROMOVIDOS

O governador do Estado do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, o secretário de Estado de Segurança José Mariano Beltrame e o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Mário Sergio de Brito Duarte vão estar presente nesta terça-feira (12/4), às 7h, na solenidade de assinatura das Promoções por Ato de Bravura dos Policiais Militares do Batalhão de Polícia Rodoviária.

O evento vai acontecer no Salão Nobre do Quartel-General da PM, Rua Evaristo da Veiga 78/2º andar, Centro. O cabo Denilson Francisco de Paula será promovido a terceiro-sargento.

O cabo Ednei Feliciano da Silva será promovido a terceiro-sargento.

O terceiro-sargento Márcio Alexandre Alves será promovido a segundo-sargento.

Eles atuaram na última quinta-feira (07/04) socorrendo alunos que estavam sendo vitimados por Wellington Menezes de Oliveira que entrou na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, atirando e atingindo fatalmente 12 crianças. Wellington foi alvejado pelo policial e, em seguida, cometeu suicídio. A ação dos policiais evitou que a tragédia tivesse maiores proporções.

SITE DA PMERJ

HCPM recebe a visita da presidente do Clube de Regatas do Flamengo Patrícia Amorim

A presidente do Clube de Regatas do Flamengo, Patrícia Amorim, visitou na noite de sábado, 09 de abril, o estudante Alan Mendes da Silva de 13 anos, internado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. Alan que é um dos sobreviventes do atentado à Escola Tasso da Silveira, em Realengo, recebeu a visita surpresa por volta das 18h na UTI pediátrica do HCPM. A presidente trouxe camisas autografadas, bonés e outros presentes e fez questão de convidar Alan e toda sua família a comparecer a sede do clube na Gávea, tão logo receba alta médica. Patrícia afirmou que durante o jogo de domingo, 10 de abril, contra o Botafogo, a equipe do Flamengo fará um minuto de silêncio em homenagem às vítimas desta tragédia. O pequeno flamenguista que cursa a 7ª série do ensino fundamental é considerado um herói, porque, mesmo estando baleado no rosto, no ombro e na mão, teve muita força e coragem para correr cerca de 150 metros e avisar a guarnição do 3º Sargento PM Márcio Alexandre Alves que de imediato se deslocou para a escola, evitando assim que este triste episódio tivesse um desfecho ainda mais trágico.



SITE DA PMERJ

domingo, 10 de abril de 2011

Xerife no banco dos réus: Beltrame é acusado de crime de responsabilidade


O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, vai julgar nesta segunda-feira (11) o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, por ação de crime de responsabilidade.

O secretário é acusado de não ter respondido o requerimento de informações, solicitado pelo deputado Paulo Ramos (PDT), sobre os nomes, postos, graduações e funções dos policiais militares e civis, afastados ou na ativa.

O requerimento foi feito em 2008, quando Paulo Ramos era presidente da Comissão de Trabalho e Legislação Social e Seguridade Social da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

O secretário é acusado também de não ter prestado esclarecimentos sobre a possível relação de policiais inativos que foram recontratados para a prestação de serviços internos.

O partido dos militares

Oficiais, soldados e mulheres de integrantes das Forças Armadas e das polícias militares criam uma nova legenda para tentar voltar ao poder agora pelo voto.


Na terça-feira 5, a presidente Dilma Rousseff foi homenageada com a maior das condecorações militares, a Grã Cruz. Diante dos comandantes das Forças Armadas, ela fez uma referência aos anos de chumbo da ditadura, ao ressaltar que o Brasil soube corrigir seus caminhos e alcançou a maturidade institucional. O País vive dias de democracia plena e houve, sem dúvida, importantes mudanças nas casernas. Tanto assim que militares planejam agora voltar à política, mas sem truculência. Até o fim do mês será criado o Partido Militar Brasileiro, legenda que antes mesmo do registro oficial já conta com 17 mil pré-filiados, entre oficiais da reserva do Exército, da Marinha e da Aeronáutica e integrantes da Polícia Militar e dos Bombeiros.

Há diretórios sendo criados em 27 Estados, site na internet e até hino, gravado no YouTube, em que um coro entoa palavras de ordem como soberania, democracia, igualdade e segurança pública. O novo partido terá como bandeira o combate à violência e à corrupção. Não aceitará filiação de fichas-sujas e nem fará coligações majoritárias se não for cabeça de chapa. “Os políticos não têm coragem para combater o crime organizado e estão mais interessados em se servir do poder”, diz o presidente do PMB, Augusto Rosa, que é capitão da PM em Ourinhos (SP). Ele afirma que o partido é de centro-direita, apesar de defender a política econômica e os programas sociais do governo.

Rosa faz um mea-culpa: “O golpe de 1964 foi um erro”. Mas sua posição não é majoritária. Também devem aderir à legenda vários generais da reserva, inclusive dirigentes dos clubes militares, tradicionais redutos do conservadorismo. Além disto, o PMB pretende lançar co­mo candidato a presidente da República em 2014 o general Augusto Heleno, que na semana passada foi proibido pelo comando do Exército de fazer uma palestra intitulada “A contrarrevolução que salvou o Brasil”. Rosa e seus companheiros de farda defendem posições tão polêmicas como as do deputado federal Jair Bolsonaro (DEM-RJ). “Somos contra o casamento gay, a legalização do aborto e da maconha, e a favor da redução da maioridade penal”, afirma.

Apesar das restrições legais à atuação política de militares, Rosa, graças a providenciais licenças, concorreu a deputado federal nas eleições de 2002 pelo PDT, nas de 2006 pelo PV e, finalmente, em 2010 pelo PSB. A presidente do diretório do PMB no Distrito Federal, Ivone Luzardo, mulher de militar, também foi candidata a deputada distrital no ano passado pelo DEM. Apesar da frustração nas urnas, tanto Rosa como Ivone acham que o PMB não terá dificuldade em reunir as 500 mil assinaturas para o registro oficial.

img.jpg

REVISTA ISTOÉ

sexta-feira, 8 de abril de 2011

O PM merece sim, ser tratado como herói.

O sargento da Polícia Militar Márcio Alves, que baleou o atirador após ataque na Escola Municipal Tasso da Silveira.


Há 18 anos na corporação da PM, Alves relembrou o início da carreira, quando queria ser militar e decidiu fazer prova para a polícia.

- Poder ajudar a sociedade é sempre muito importante. Nem tudo é perfeito, mas nós policiais tentamos fazer tudo da melhor maneira possível, acho que hoje conseguimos, apesar de toda a tristeza - lamentou.

O sargento considerou a tragédia o momento mais difícil de sua carreira. - Já enfrentei situações trágicas, combates com traficantes, mas nunca nesta proporção, uma tragédia envolvendo crianças. Foram cenas muito fortes. Tenho o sentimento de tristeza, mas também tenho o sentimento de dever cumprido. Foi um dia duro, cansativo. Vou chegar em casa, vou abraçar minha família, ver meus filhos, tomar um banho e tentar descansar - acrescentou.

Graças a coragem e a determinação do sargento da Polícia Militar, Márcio Alves outras crianças não foram assassinadas.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Blogueiro Ricardo Gama diz que se algo lhe acontecer a culpa é de Cabral

Em uma de suas mais novas postagens na internet, depois de ser liberado do Hospital Copa D'or, em Copacabana (Zona Sul do Rio), o blogueiro Ricardo Gama, vítima de atentado que lhe resultou em três tiros no rosto e um no pescoço, ataca mais uma vez o governador Sérgio Cabral. Agora, segundo o texto do blog, Gama parece insinuar que o governador tem responsabilidade em seu atentado.

"Me lembro bem, como se fosse ontem, algumas pessoas do governo dizendo que eu ia me arrepender pelo que tinha feito com Sérgio Cabral ao expor o seu lado verdadeiro. E digo mais: Sr. Governador Sérgio Cabral, já estou em casa, todo quebrado, mal consigo enxergar direito, e sem nenhuma proteção. Se algo acontecer de novo comigo ou com a minha família, a culpa terá um nome: GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL".

O Jornal do Brasil entrou em contato com Ricardo Gama por e-mail, para que ele esclarecesse as declarações. No entanto, o blogueiro retornou aos nossos e-mails.


Também procurada, a assessoria de imprensa do governador não comentou a postagem, e limitou-se apenas a informar que se o blogueiro diz que a culpa é do Cabral porque ele não está tendo proteção em casa, o assunto deve ser tratado com a Secretaria de Segurança do Rio.

Ricardo Gama é filiado ao Partido da República (PR), ao qual pertence o ex-governador do Rio e grande inimigo político de Sérgio Cabral

Delegado prefere o silêncio

Responsável pelas investigações do atentado sofrido por Ricardo Gama, no último dia 23, no bairro Peixoto, em Copacabana (Zona Sul do Rio), o delegado titular da 12ª DP (Copacabana) Antenor Lopes Martins Junior informou na tarde desta quarta-feira (6) que não dará informações sobre o caso enquanto as investigações não forem concluídas.

"As investigações estão caminhando. O caso é muito complexo e não darei dados do caso enquanto não terminar de investigar", sentenciou o delegado.

Blog polêmico

Em seu blog, Ricardo Gama tece duras críticas não apenas a Cabral, mas também ao prefeito Eduardo Paes. Pouco antes do atentado, textos contando que um "empresário" que abastecia a Favela da Rocinha de cocaína estava voltando às ruas também foi bem acessado. Já num outro texto, ele afirma: "cinco vagabundos da quadrilha do traficante Nem da Favela da Rocinha envolvidos em tiroteio em hotel estão voltando para o Rio de Janeiro".

Mulher de Cabral é advogada do Metrô Rio, cuja tarifa é a mais alta do país, acusa blogueiro


JORNAL DO BRASIL

terça-feira, 5 de abril de 2011

Câmara Municipal homenageia Major Burity



CIDADÃO HONORÁRIO DE MACEIÓ
O major do Corpo de Bombeiros de Alagoas, Carlos Burity ( que é carioca), que ficou detido no Quartel-geral da corporação por conta das críticas feitas à falta de estrutura necessária para apagar um incêndio ocorrido no sábado, 2, no Pavilhão do Artesanato em Pajuçara, recebeu homenagem da Câmara Municipal.

Desabafo de um Bombeiro para o Brasil inteiro ouvir

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Major do Corpo de Bombeiros é preso após ‘críticas’ em operação

Major Buriti foi preso por determinação do
comando do Corpo de Bombeiros

O major do Corpo de Bombeiros de Alagoas, Carlos Burity, se encontra recolhido no Quartel-geral da corporação por conta das críticas feitas à falta de estrutura necessária para apagar um incêndio ocorrido no sábado, 2, no Pavilhão do Artesanato em Pajuçara.

Durante o combate as chamas, faltou água e a corporação precisou ser socorrida por dois carros de uma empresa particular, conforme informações dos lojistas. Diante da situação, os bombeiros foram alvo de protestos e vaias. Em entrevista à imprensa, Burity salientou que ouve críticas há 16 anos, mas o problema é da estrutura da corporação.

“Há 16 anos venho sendo feito de palhaço”, disse. "Todos sabem que faltam viaturas e equipamentos e somos nós quem escuta as reclamações da população como as de hoje. É preciso que todos saibam que a tropa é dedicada e faz o impossível para prestar o serviço ao alagoano", destacou ainda no local.

Burity confirmou a própria prisão por meio de seu perfil no twitter, ao tempo em que começou a receber solidariedade de seus seguidores. “Falei algo demais? Eu devo mentir”, colocou ainda ao falar de sua detenção. De acordo com informações obtidas pelo Alagoas24Horas, o major do Corpo do Bombeiros será detido por 72 horas por determinação do secretário de Defesa Social, coronel Dário César.

Paralelo à prisão, o major responderá a processo disciplinar pelas críticas feitas em público. Segundo uma fonte que esteve com Burity, o major demonstra revolta com o fato da determinação ter vindo do comando e ressalta que sempre foi um defensor da corporação. “Não cometi nenhum crime. Só fiz criticar problemas na estrutura, em um momento de estresse, com toda a população criticando o Corpo de Bombeiros”, colocou.

Burity já foi ouvido pelo comando do Corpo de Bombeiros. No dia do incêndio, o major sequer estava de serviço. Ao saber da ocorrência, ele colocou a farda e saiu de casa para ajudar os companheiros na operação de contenção das chamas no Pavilhão do Artesanato.


Fonte

Deputado Paulo Ramos(PDT), alerta os Servidores


O Governador do Estado encaminhou à Assembléia Legislativa, Projeto de Lei tratando da Delação Premiada em processos administrativos no serviço público.

Com a fachada moralista e sob o pretexto de combater a corrupção, de modo a atrair a opinião pública, alguns incautos e outros equivocados, especialmente parlamentares de oposição, a proposta não consegue ocultar a sua natureza fascista e terá as seguintes conseqüências, caso aprovada:

- desagregação a mais completa em todos os setores do serviço público.

- criação de um clima de desconfiança e ódio entre servidores em todos os locais de trabalho.

- incentivo a vinganças pessoais e ao carreirismo.

- valorização do execrável dedo-duro ( delator).

- criação de poderoso instrumento nas mãos de chefes inescrupulosos para atingir os servidores mais combativos. Bastará, para tal, em qualquer situação concreta, aliciar envolvidos em processos, para, em troca de benefício, comprometer os servidores que se opõem ao que vem acontecendo com o serviço público, principalmente as lideranças sindicais.

Ao que tudo indica, agora no segundo governo, quando os servidores estão mais escaldados, com mais inclinação para a participação nas mobilizações reinvindicatórias, a fascista delação premiada aparece, devendo ser analisada e repudiada por todos os servidores e por todos aqueles que defendem o servidor e os serviços públicos.

Esclareço que no Diário Oficial do Poder Legislativo de 3 de março último, paginas 7 e 8, quando da publicação dos debates ocorridos no Plenário em relação ao Projeto de Lei nº 145/2011, que “ estabelece normas sobre a colaboração expontânea nas investigações e processos administrativos e disciplinares aplicáveis aos servidores da administração direta e indireta”, dois deputados ( Paulo Ramos e Zaquel Teixeira) se pronunciaram contra e estranhamente tres deputados que se dizem de oposição ao governo ( Marcelo Freixo, Luis Paulo e Clarissa Garotinho) se manifestaram a favor, o que atesta a força do governo.

Assim, torna-se necessário que os servidores públicos, através de suas representações sindicais, procurem conhecer o Projeto e se posicionar, na medida em que a administração já dispõe de todos os mecanismos para enfrentar e corrigir desvios de conduta, não sendo aceitável a tal da delação premiada que, certamente, acarretará as conseqüências acima mencionadas, dentre outras igualmente nefastas.

A “delação premiada”, insisto ser uma iniciativa fascista, precisa ser rejeitada, a bem do serviço público e da dignidade do servidor.

Fora com os fascistas.

OPINIÃO DO FALSO CORONEL SOBRE A POLÍCIA

Um homem que começou como major, virou tenente-coronel e logo estava trabalhando na cúpula da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, vai lançar um livro: AS GEMADAS DO CORONEL SEM ESTRELA"

"NUM CONTRAPONTO ÀS CRÍTICAS, O FALSO CORONEL FAZ INÚMEROS ELOGIOS À QUALIDADE DOS PRAÇAS. O FALSO CORONEL RECLAMA DA REMUNERAÇÃO DOS POLICIAIS QUE SÃO OBRIGADOS A FAZER BICO PARA SUSTENTAR A FAMÍLIA".

O falso coronel passou dois meses preso. Agora responde a processos de falsa identidade e porte ilegal de arma de uso restrito e pode pegar até seis anos de prisão.

sábado, 2 de abril de 2011

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A corregedoria da Polícia Militar do Amazonas abriu inquérito para investigar novas denúncias de tortura envolvendo PMs

video

A corregedoria da Polícia Militar do Amazonas abriu inquérito para investigar duas novas denúncias de tortura envolvendo PMs. Na semana passada, sete foram presos por atirar em um adolescente desarmado.

Nas fotos exibidas por uma dona de casa, as marcas do espancamento são evidentes. Ela saiu de Coari, no interior do Amazonas, para denunciar a suposta violência de policiais militares contra o irmão e três primos - todos agricultores,.

"A única coisa que o major não permitiu foi a morte dos meninos", diz.

A Corregedoria da Polícia Militar abriu inquérito para apurar o caso e enviou uma equipe para o município.

Fonte: G1

Deputado Flávio Bolsonaro e o Vereador Carlos Bolsonaro dizem que pai não é preconceituoso




NOTA DE ESCLARECIMENTO

A respeito de minha resposta à cantora Preta Gil, veiculada no Programa CQC, da TV Bandeirantes, na noite do dia 28/03/2011, são oportunos alguns esclarecimentos.

A resposta dada deve-se a errado entendimento da pergunta - percebida, equivocadamente, como questionamento a eventual namoro de meu filho com um gay.

Daí a resposta: “Não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Não corro esse risco porque os meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o teu.”

Todos aqueles que assistam, integralmente, a minha participação no programa, poderão constatar que, em nenhum momento, manifestei qualquer expressão de racismo. Ao responder por que sou contra cotas raciais, afirmei ser contrário a qualquer cota e justifiquei explicando que não viajaria em um avião pilotado por cotista nem gostaria de ser operado por médico cotista, sem me referir a cor.

O próprio apresentador, Marcelo Tas, ao comentar a entrevista, manifestou-se no sentido de que eu não deveria ter entendido a pergunta, o que realmente aconteceu.

Reitero que não sou apologista do homossexualismo, por entender que tal prática não seja motivo de orgulho. Entretanto, não sou homofóbico e respeito as posições de cada um; com relação ao racismo, meus inúmeros amigos e funcionários afrodescendentes podem responder por mim.

Atenciosamente,

JAIR BOLSONARO