terça-feira, 30 de julho de 2013

CABRAL DIZ QUE NÃO É DITADOR!

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse na noite desta segunda-feira (29) que não é um "ditador", como é chamado por manifestantes, e fez um apelo, "como pai", pelo fim dos protestos em frente a sua casa no Leblon, na Zona Sul da capital.



sábado, 27 de julho de 2013

Ato pela REINTEGRAÇÃO dos 14 BOMBEIROS EXPULSOS




Ato pela votação do projeto de lei que anistia e reintegra os 14 Bombeiros presos em Bangu1 e EXPULSOS da CORPORAÇÃO de forma covarde, injusta e ilegal ao lutarem pelos direitos a um salário decente e melhores condições de trabalhar para atenderem a população.

1 de agosto às 13:00 / ALERJ em Rio de Janeiro




sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cabral vive um pesadelo

Após mais uma madrugada de confrontos, quebra-quebras e protestos nas imediações de sua casa, no Leblon,  o governador Sérgio Cabral  convocou para a manhã desta quinta-feira, uma reunião de emergência no Palácio Guanabara. Foram convocados o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha, o comandante da Polícia Militar, Coronel Erir da Costa Filho, e os secretários da Casa Civil, Regis Fichtner, e de Governo, Wilson Carlos Carvalho. Enquanto Cabral tentava consertar os estragos provocados por atitudes truculentas contra os manifestantes, desde o início da onda de protestos no Rio, entre outros gestos, todos reprovados pela maioria dos eleitores, como o uso de helicópteros do governo para passear e ir para o trabalho, aparecer em fotos com uma turma de empreiteiros e assessores de guardanapos na cabeça ou dançando nas ruas da capital francesa, seus aliados também conversam sobre uma possível debandada na aliança que sustenta o governo fluminense.
– A realidade é que o patrimônio político de Sérgio Cabral virou pó, em uma situação muito parecida com a credibilidade de amigos dele como Eike Batista, para quem foi entregue a administração do lendário Estádio Mário Filho, o Maracanã; ou o dono a Construtora Delta, Fernando Cavendish, de quem é vizinho no Leblon. Está cada vez mais difícil imaginar a possibilidade de o atual governo permanecer, com um sucessor como  Pezão.


Wadih Damous: Desmilitarizar a PM

O órgão encarregado do policiamento ostensivo deve ter caráter militar?

 Wadih Damous é presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB Federal e da Comissão da Verdade do Rio
A brutal repressão desencadeada recentemente pela PM contra manifestantes que foram às ruas trouxe um debate importante: o órgão encarregado do policiamento ostensivo deve ter caráter militar?

A maior parte dos países desenvolvidos responde de forma negativa a essa pergunta. Quem faz policiamento ostensivo pode andar armado e usa uniforme, para que seja identificado com facilidade, mas não é militar.
Militares não têm como função proteger cidadãos, mas aniquilar uma força inimiga. Para se compreender isso, basta lembrar a musiquinha cantada pelo Bope: “Soldado de preto, qual é tua missão?” “É entrar na favela e deixar corpo no chão.” Ainda que seja uma aberração mesmo numa instituição militar, ela mostra o que se incute na cabeça da tropa.
Não por acaso, a PM identifica como inimigos moradores de favelas ou participantes de uma manifestação, em vez de vê-los como cidadãos a serem respeitados. Não por acaso, também, o blindado da PM tem a figura da caveira. Ele aterroriza as populações pobres, quando poderia ser o oposto: blindado, não precisaria trocar tiros para avançar, o que diminui riscos dos (mal) chamados “danos colaterais”.
Pois bem, para desmilitarizar a PM é preciso mudar a Constituição. Que isso seja feito. Mas, antes mesmo, poderiam sepultar as heranças da ditadura. Por exemplo, extinguir a Inspetoria-Geral da Polícia Militar, subordinada às Forças Armadas.
O regimento interno da PM também deveria ser modificado, pondo fim às regras militares e humilhações que estimulam a violência dos soldados. Por fim, se poderia acabar com os tribunais militares, fazendo com que os PMs acusados de algum crime fossem julgados por civis, como quaisquer cidadãos. Com isso, já teríamos um belo avanço.

Cabral: Jatinhos à disposição

“O Chefe do Poder Executivo Estadual a fim de planejar, acompanhar, administrar e fiscalizar todos os empreendimentos e eventos em andamento, com vistas aos mega-eventos que ocorrerão no Estado, necessita de agilidade, rapidez e estrutura nos diversos deslocamentos a serem realizados dentro do próprio Estado, pelo país e em viagens internacionais”, diz o documento.
Nas exigências do contrato, o avião a jato birreator também deve ter “toalete” privativo em compartimento independente da cabine de passageiros e a empresa deve dispor de sala de espera VIP para uso da contratante, durante os procedimentos de embarque e desembarque.
Governo diz que opção é mais barata
Cabral já usou, em quilômetros rodados, cerca de R$ 728 mil dos R$ 3.456.000 a que tem direito até outubro. A assessoria do governo não quis informar para onde ele foi com as aeronaves nem as datas.
A Infraero mandou procurar a empresa Lider Taxi Aéreo, que respondeu que as informações são confidenciais. A reportagem buscou a Lei de Acesso à Informação, que tem 30 dias para processar o pedido. 
Em nota, a assessoria de Cabral afirmou que “diferente de outros estados que possuem frota de aviões, o Governo do Rio, devido às características geográficas do estado e aos altos custos da compra de aeronave, opta pelo aluguel para deslocamentos do Governador e do Vice, quando necessário, para compromissos oficiais”.
Além de seus atuais seis helicópteros, o governador Sérgio Cabral tem à disposição jatinhos onde cabem até nove passageiros, com poltronas giratórias, equipamento para projeção de imagens e som e capacidade de voar por sete horas e meia, sem parar, até para viagens internacionais.
O contrato de aluguel do serviço foi assinado por R$ 3.456.000, em 8 de outubro de 2012, e é válido por um ano. A assessoria do governo afirma que o aluguel é mais econômico que a aquisição de aeronaves. 
Na justificativa do contrato, firmado com a Lider Taxi Aéreo S/A – Air Brasil em licitação sem concorrentes, Cabral aponta a necessidade de se deslocar, rapidamente, para acompanhar reuniões e outras demandas decorrentes dos grandes eventos no Rio (Copa das Confederações, do Mundo e Olimpíadas), até para o exterior.

terça-feira, 16 de julho de 2013

CONCURSO DO TJ/RJ A NÃO CONVOCAÇÃO DE " ANALISTA SEM ESPECIALIDADE"

DENÚNCIA RECEBIDA
 
 
APROVADOS DO ÚLTIMO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO.
CARGO: ANALISTA SEM ESPECIALIDADE
O TJRJ promoveu um concurso em 2012 para os caros de técnico judiciário, analista  judiciário SEM especialidade e analista judiciário COM especialidade. Sendo este último cargo  dividido em várias especialidades (médico, psicólogo, assistente social etc.). O concurso  vence definitivamente em maio de 2014. Esse concurso abraça 11 regiões em todo o estado  do RJ, sendo a Capital a de maior demanda.
O que vem ocorrendo no TJ é um desvio de função, pois os técnicos (mão de obra mais  barata) estão sendo colocados para exercer as atividades de analistas, o que vem sendo  alertado pelos próprios serventuários. E, recentemente, o desembargador Siro Darlan  informou que se nota essa prática num ofício endereçado à presidência no dia 01 de julho de  2013 (cópia do ofício no link  abaixo).
É importante mencionar que os técnicos não possuem as mesmas qualificações técnicas  do que os analistas sem especialidade, tanto o é, que no edital do concurso exige-se nível  médio para técnico e nível superior para os analistas e os conteúdos das matérias cobradas  nas provas também são diferentes. Cada cargo tem sua função e sua importância no TJ.  Resumindo, os técnicos auxiliam os analistas SEM especialidade e tais analistas dão de fato o  andamento processual e auxiliam os magistrados. Atividades exercidas por cada cargo retiradas do próprio edital do concurso:
 
TÉCNICO – Exigido nível médio: “Realizar as  tarefas de nível médio, adequadas à  escolaridade do cargo, que lhe forem designadas, em apoio ao processamento de feitos  judiciais e a processos administrativos, no âmbito da serventia de sua lotação ou unidade  administrativa, quando for o caso”.
 
ANALISTA SEM ESPECIALIDADE - Exigido nível superior: “Praticar os  atos necessários  ao impulsionamento  oficial  dos processos judiciais e administrativos em curso  na unidade de sua lotação, dependentes ou não de ordem judicial, de acordo com os  procedimentos fixados em lei ou regulamento e observadas as rotinas expedidas pela chefia imediata; fornecer  suporte técnico e administrativo ao exercício da atividade  judicante por magistrado ou órgão julgador”. Ocorre que o TJ, até o momento, para essas 11 regiões e faltando apenas 9 meses para  expiração definitiva do concurso, somente convocou um número ínfimo de analistas SEM  especialidade. Ao contrário do que fez com o cargo de técnico.
 
TOTAL DE CONVOCAÇÕES ATÉ O MOMENTO, PARA AS 11 REGIÕES:
 
TÉCNICOS: 501
 
ANALISTAS SEM ESPECALIDADE: 78 - Sendo que desses 78, apenas 22 foram para a região  da Capital – que é a região de maior demanda.  Tal convocação, de analista SEM especialidade, não representa nada perto da carência de  servidores - que hoje está em torno de 2000 cargos vagos - vacância essa que em sua  maioria é do cargo de analistas.
Ressalta-se que o TJ promoveu um PROGRAMA DE INCENTIVO Á APOSENTADORIA - PIA  justamente para possibilitar a convocação e melhorar a qualidade do serviço prestado.  Além disso, há um estudo do próprio TJ o qual conclui que a cada aposentado daria para  convocar 4 a 5 novos servidores. Assim, 444 pessoas aderiram a esse PIA  e a maioria é  do cargo de analistas e, mesmo assim, após esse PIA, somente foram convocados, para a  capital que é a região de maior demanda, 22 analistas SEM especialidade. Essa convocação  de analista SEM especialidade representa 4% da convocação se comparada ao  último concurso.   É gritante a desproporção entre a convocação de técnicos e  analistas sem especialidade.
O TJ, em nota, informou que já efetuou a convocação de número razoável para “analista”.  Mas ao dizer isso ele está englobando num mesmo grupo e chamando de “analista” tanto  o cargo de analista SEM especialidade, como o cargo de analista COM especialidade. São  cargos distintos e, por isso, devem ser separados para se ter o real número de convocação.
Vale mencionar que o Tribunal precisa dos cargos de analistas SEM especialidade para fazer  com que os cartórios e, consequentemente, a máquina judiciária se movimente.
O desembargador Siro Darlan publicou em seu blog um ofício endereçado à Presidência do Tribunal pedindo que novas convocações fossem feitas dando  prioridade ao cargo de analista para assegurar a qualidade da prestação do serviço.  Mesmo após esse ofício, o TJ fez uma nova convocação na quarta-feira (10 de julho) chamando 206 técnicos e 50 analistas COM especialização (psicólogos, médicos etc.), desprestigiando por completo o cargo de analista SEM especialidade, pois nenhuma convocação foi feita para esse cargo.
Por fim, é preciso destacar que o Tribunal possui cerca de 9 milhões de processos e os analistas SEM especialidade são responsáveis pelo andamento oficial dos referidos processos e pelo auxílio aos magistrados.
 

SEGUE A ÍNTEGRA DO OFÍCIO DO SIRO DARLAN: CLIQUE NO LINK ABAIXO:

 

 


segunda-feira, 15 de julho de 2013

PM afirma que tiro disparado de carro descaracterizado era de arma não-letal

A Polícia Militar afirmou nesta segunda-feira, por meio de nota, que o comando da corporação identificou que o disparo efetuado de dentro de uma Blazer descaracterizada, placa KMW 3453, na Rua Pinheiro Machado, na última quinta-feira, foi de armamento não-letal.
De acordo com o documento, o disparo foi de um lançador de munição calibre 12, de gás lacrimogêneo, "não oferecendo risco de morte para a população". No entanto, a PM não justificou a presença do veículo sem identificação nas ruas. Neste domingo, durante outro protesto de ativistas no Palácio Guanabara, nenhum carro descaracterizado foi avistado.
Em diversos vídeos postados no Youtube, é possível ver o veículo trafegando em baixa velocidade pelas ruas do bairro. A Blazer circula pelas vias e efetua os disparos para o alto. Em algumas ocasiões, as armas são apontadas diretamente na direção dos manifestantes, que correm para se abrigar.
 Blazer descaracterizada fez disparos para o alto durante protesto da última quinta-feira no Palácio Guanabara / FONTE :  JORNAL O DIA 


Vídeo mostra suposto carro da PM do Rio atirando contra manifestantes


Em um vídeo que circula nas redes sociais, um carro não caracterizado dispara durante a manifestação da última quinta-feira (11) nos arredores do Palácio Guanabara, sede do governo do Rio, no bairro de Laranjeiras. Os disparos são feitos contra pessoas que caminhavam em vias próximas. Os próprios manifestantes anotaram a placa do veículo e, em consulta ao site do Detran, descobriram que a Blazer pertence à Polícia Militar. Ainda de acordo com manifestantes, o veículo teria disparado contra as pessoas que caminhavam pelas ruas do bairro.
Em outro vídeo enviado ao UOL, é possível ver a Blazer preta circulando em frente ao palácio durante o protesto. De acordo com testemunhas, o carro parou próximo ao Caveirão, maneira como é conhecido o veículo blindado da PM. A reportagem também fez a consulta ao site do Detran e confirmou que a Blazer está registrada em nome da Polícia Militar . Na página, o carro aparece como da cor branca. No entanto, é comum o processo de "envelopagem" do carro pela polícia na cor preto fosco.
Um dos manifestantes ouvidos pela reportagem do UOL, o astrônomo Loloano Silva, contou que, ainda durante àquela noite, precisou correr dos disparos do veículo. "Quando a gente estava saindo da [rua] Pinheiro Machado em direção à praia de Botafogo, pois o Choque estava vindo em nossa direção, passou um carro preto pela rua. Saímos da frente pra deixar ele passar e ele parou. Abaixou os vidros e atirou contra as pessoas que estavam na rua. Deve ter efetuado uns dois ou três disparos", disse.

video

O astrônomo contou que assim que ouviu os tiros, correu e não identificou se os disparos eram ou não de arma letal. "O bizarro é que todo mundo foi pego de surpresa, pois eles vinham como se estivessem em Botafogo e achamos que era um carro qualquer, nem ligamos, na verdade. Daí vieram os tiros. Só cogitei a possibilidade de serem de fogo depois de assistir ao vídeo", disse.

A reportagem tentou contato com a Polícia Militar desde a tarde de sábado (13), mas até a manhã deste domingo (14), ninguém da PM se manifestou sobre o caso.  O Ministério Público abriu investigação sobre possíveis excessos da Polícia Militar. As vítimas interessadas devem procurar o órgão para a construção de uma ação civil pública coletiva. FONTE: NOTÍCIA UOL

domingo, 7 de julho de 2013

quinta-feira, 4 de julho de 2013

PM de SP investiga vídeo em que policiais espancam manifestante

A Polícia Militar de São Paulo irá investigar um vídeo publicado no Youtube no qual vários policiais aparecem agredindo um manifestante que aparenta ser mulher. As imagens foram gravadas por uma câmera de segurança.
O autor da publicação no Youtube indica que o local dos fatos é o município de São Bernardo do Campo (Grande São Paulo), palco de um protesto na última segunda-feira (1º). Segundo os dados que aparecem na tela, os fatos gravados ocorreram em 1º de julho, entre 21h39 e 21h42. Inicialmente, a câmera registra um grupo de aproximadamente 30 pessoas correndo. Em seguida, bombas de efeito moral estouram perto do grupo, que se espreme em um dos cantos da rua. Depois, eles correm no sentido oposto ao percorrido anteriormente, fugindo de policiais.Na sequência, dois homens com capacetes, que parecem vestir uma farda da PM, desferem golpes de cassetete contra uma pessoa, que aparenta ser uma mulher. Mesmo caída no chão, a pessoa apanha, inclusive levando chutes.Cerca de 40 segundos após as agressões terminarem, outra guarnição da PM chega ao local. A pessoa novamente é agredida por um dos policiais, novamente com golpes de cassetete, e colocada contra a parede. Depois, os policiais a algemam. As imagens não permitem concluir se ela é revistada pelos PMs, todos eles homens.

FONTE: UOL NOTÍCIAS

Ministério Público investiga se houve abuso de força policial em protesto

 Dois manifestantes que foram detidos por policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar, durante protestos em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), no dia 17 de junho, foram ouvidos pelo promotor de Justiça Paulo Roberto Mello Cunha Júnior. Os depoimentos dos estudantes Pedro Assis Rodrigues e Rodrigo Pinto Ribeiro serão anexados a um procedimento investigatório, instaurado pela 2ª Promotoria da Auditoria Militar.
De acordo com o advogado da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), Raul Lins e Silva, que acompanhou o depoimento dos estudantes, “as prisões foram arbitrárias e praticadas de forma aleatória pelos policiais do Batalhão de Choque”.
Além de Pedro e Rodrigo, outras duas pessoas foram presas, sendo uma delas um morador de rua. Eles foram soltos após pagarem fiança.
“Nos próximos dias serão ouvidas pelo Ministério Público outras pessoas que alegam ter sido vítimas de violência policial. A intenção das promotorias de Justiça, junto à Auditoria Militar, é a apuração de todas as circunstâncias que envolvem estes incidentes visando a caracterizar eventuais episódios de uso abusivo da força”, ressalta Paulo Roberto Mello.
Esclarecimentos- No último dia 25, os promotores de Justiça Paulo Roberto Mello Cunha Júnior, Alberto Flores Camargo e Décio Luiz Alonso Gomes reuniram-se com o comandante-geral da PM, coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, e a cúpula da corporação, para obter esclarecimentos sobre as táticas adotadas pela Polícia Militar para a manutenção da segurança, durante as manifestações no Rio.

Polícia recupera carga de cerveja roubada que seria servida em aniversário de bandido


Uma equipe do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 3º BPM (Méier) colocou água no chope dos bandidos do Morro do Urubu, em Pilares, Zona Norte do Rio. Os militares apreenderam na manhã de ontem um caminhão com carga de cerveja roubada - a bebida, segundo a polícia, seria servida amanhã durante baile na comunidade para comemorar o aniversário de um dos traficantes da quadrilha, que é ligada à facção Amigos dos Amigos (ADA). O material recuperado foi levado para a Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC). Houve troca de tiros, mas ninguém foi preso ou ferido.
Cerca de dez pessoas descarregavam o caminhão na Rua Manuel Corrêa, principal via do Morro do Urubu, quando a equipe do GAT chegou. Após rápido confronto, os homens conseguiram fugir, abandonando o veículo e as bebidas - eram 117 caixas de cerveja e um engradado de refrigerante.
"Recebemos uma denúncia anônima e fomos verificar. Chegando ao local, encontramos os criminosos descarregando o material, e eles atiraram na viatura", afirmou o capitão Frederico Franco, que comandou a ação ao lado do tenente Honorato.
De acordo com os PMs, a carga de cerveja e refrigerante foi roubada para abastecer o aniversário de um comparsa do chefão do tráfico no Morro do Urubu, Anderson da Silva Verdan, o Bamba, de 31 anos. Ainda segundo os policiais que participaram da ocorrência, Bamba não estava entre os dez criminosos que trocaram tiros com a equipe do GAT. A polícia ainda não sabe quem seria o traficante homenageado na festa que estava prevista para amanhã.

Bombeiros de todo o país planejam reunião com Dilma Roussef


As reivindicações dos bombeiros em todo o país voltarão à pauta das manifestações que vêm ocorrendo desde o mês de junho. Bombeiros militares de pelo menos 12 estados se encontrarão em Brasília no dia 8, no encontro nacional da categoria que ocorre todo ano na capital. O objetivo, de acordo com fontes na corporação, é discutir as melhorias na carreira da categoria em uma reunião com a presidente Dilma Roussef.
O ensaio geral já ocorreu na manhã desta quinta-feira. Policiais e bombeiros militares promoveram uma carreata em Brasília, reivindicando as promessas não cumpridas pelo governador Agnelo Queiroz, quando em campanha, em 2010. Os bombeiros caminharam da Catedral de Brasília até o Palácio do Buritis, sede do governo do DF.
Dentre as promessas não cumpridas segundo os bombeiros, estão: transformar o auxílio alimentação em auxílio inatividade ao passar para a reserva remunerada; aumento no valor do auxílio moradia, cujo pagamento ficaria a cargo do governo do Distrito Federal; implantação do auxílio transporte; volta do pagamento do anuênio; promoção independente de vagas  até a graduação de sub tenentes; ampliação no número de vagas nos quadros de oficiais combatentes, administrativos, especialistas e músicos; promoção só por antiguidade para todos os postos e graduações; agregação dos policiais e bombeiros ao completarem 30 anos de serviço.
Outras promessas envolvem o serviço voluntário com carga horária não superior a seis horas; antecipação das parcelas do reajuste de 15% para este ano; anistia para os policiais e bombeiros militares de 2ª classe sob judice; implantação do subsídio como forma de remuneração dos policiais e bombeiros e o aumento de efetivo.

EXIGIMOS O FIM DA DUPLA FUNÇÃO DE MOTORISTA TROCADOR


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Protesto contra a Maior organização criminosa do país HOJE!

Veja a programação:
R. Von Martius, 22 – Jardim Botânico – RJ
17:00 – Protocolaremos na Globo o documento da Receita Federal que comprova a sonegação da Globo.
17:30 – Início da atividade cultural e do “lacre” na TV Globo
18:00 – Início da Assembleia Temática “Democratização da Mídia”
Durante a assembleia recolheremos assinaturas do abaixo-assinado da Lei da Mídia Democrática.
Organização:
  • FALE-Rio / FNDC
  • Cidadania Sim! Pig Nunca mais.
  • Barão de Itararé
  • RioBlogProg
  • UEE-RJ
  • DCE UFF / DCE FACHA / DCE UNIRIO / DCE UEZO / DCE PUC-Rio / DCE UFRRJ
  • CUT / CTB
Além do Rio, estão marcadas manifestações na porta da Rede Globo em São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis, Recife, Brasília e Belo Horizonte

OAB-RJ denuncia policiais sem identificação no entorno do Maracanã

Representantes da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ) que acompanharam a manifestação nos arredores do Estádio do Maracanã denunciaram a presença de homens da Polícia Militar que usavam fardas sem identificação durante o protesto.
Segundo o advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, a entidade filmou alguns dos policiais sem o nome na farda e vai questionar o fato no Comando da Polícia Militar.
- É perigoso uma pessoa com uma arma, um fuzil, em nome do Estado, sem que se saiba quem é essa pessoa. Filmamos tudo e vamos questionar isso com o comando da PM para que não haja truculência por parte deles.
Rodrigo Mondego lembrou que o direito de manifestação foi garantido pelos órgãos do Estado. Ele lembrou que, embora questionável constitucionalmente, a Lei Geral de Copa determina um perímetro de segurança de 2 km ao redor dos estádios.
- Ainda assim, os manifestantes puderam chegar a até 500 metros do Maracanã.
O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Marcelo Freixo (PSOL), disse que o problema da falta de identificação é antigo.
- Não é a primeira vez que isso acontece. Muitas vezes, colocam o colete sem identificação, mas isso é proposital, porque há como colocar a identificação sobre o colete. Quando se esconde a identificação, talvez a intenção não seja das melhores - disse Freixo, que espera providências do comando da PM.
A assessoria de comunicação da PM informou, por e-mail, que a corporação não recebeu nenhum vídeo da OAB e que também não foi informada da denúncia. Segundo a assessoria, todos os policiais trabalham identificados no fardamento, mas, quando usam capas nos coletes balísticos, que têm lugar para a identificação, alguns não têm "esse aparato".
De acordo com o Comando da PM, três policiais ficaram feridos no confronto da noite de ontem, um, por coquetel molotov, e dois atingidos por pedradas na cabeça. Ao todo, 17 coquetéis molotov foram encontrados no entorno do Maracanã. O esquema de segurança para a final da Copa das Confederações incluiu 6 mil policiais militares, distribuídos no interior do estádio, no entorno e no controle de acesso dos torcedores, além de 100 viaturas. No final do evento, mais 500 policiais foram mobilizados para reforçar a segurança na saída do estádio.
A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, que acompanhou as manifestações informou, em nota, que denúncias de abusos cometidos por agentes estatais podem ser encaminhadas ao Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, pelo telefone 129, das 9 às 18h, nos dias úteis.

Bomba de gás lacrimogêneo invade apartamento no Maracanã

Confronto entre PMs e manifestantes no último domingo, nos arredores do estádio do Maracanã