segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Dança das cadeiras / Coronel Seabra cai do comando das UPPs

Após a morte de dois policiais militares no Complexo do Alemão, que está sendo pacificado desde 2010, e uma sucessão de problemas em algumas UPPs, o coronel Rogério Seabra Martins caiu da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, que comanda as Unidades de Polícia Pacificadora. O coronel Seabra vai para a geladeira na Diretoria Geral de Pessoal (DGP) e em seu lugar assume o coronel Paulo Henrique, que estava no comando da Coordenadoria de Operações Especiais da PM. 
Seabra ficou no cargo desde 1º de outubro do ano passado, aonde chegou substituindo o coronel Robson Rodrigues da Silva, que hoje chefia o Estado-Maior da Polícia Militar.

MOBILIZAÇÃO SALARIAL - POLICIAIS MILITARES REINTEGRADOS

BLOG DO CEL PAUL

Hoje recebi um email do Soldado PM Wagner Luís da Fonseca e Silva informando que mais 8 (oito) PMs que tinham sido excluídos por lutarem por salários justos, foram reintegrados por decisão do Poder Judiciário, uma excelente notícia às vésperas do Natal.   
Três PMs do grupo dos excluídos ainda lutam no Poder Judiciário para retornarem aos quadros da Polícia Militar.
Infelizmente, até a presente data, nenhum Bombeiro Militar que foi excluído em face da participação na luta salarial foi reintegrado.
Tudo se resolveria com a concessão da anistia e para isso bastaria que a ALERJ votasse o projeto de autoria de mais de 60 (sessenta) deputados estaduais.
Vida que segue.
Juntos Somos Fortes!

Policiais Civis são acusados de liberar carga em troca de propina

Policiais Civis da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas são investigados pela Corregedoria Geral Unificada da Secretaria estadual de Segurança do Rio de Janeiro. Os policiais são suspeitos de extorquir e exigir propina de transportadores de mercadorias irregulares que apreendiam e logo após liberavam, mediante pagamento. A operação Carga Pesada, deflagrada nesta terça (18), deve cumprir nove mandados de prisão e 44 de busca e apreensão contra os membros da quadrilha. O esquema montado contava com a ajuda de um informante, que dava as coordenadas sobre o trajeto feito pelas mercadorias ilegais, para que fossem apreendidas e usadas como moeda de troca. Segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio, cinco policiais civis, um policial militar, um ex-policial militar, um bombeiro e mais três pessoas foram denunciadas à justiça por formação de quadrilha, estelionato, receptação, extorsão, peculato e extorsão praticada por agente público.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Lula, chefe do “Mensalão”, é manchete no mundo.

Acesse um dos sites abaixo e confira!



ESPANHA - El principal imputado del "juicio del siglo" acusa a Lula de ser "el jefe" de la trama de compra de votos – (O principal acusado no “julgamento do século” acusa Lula de ser o chefe da trama de compra de votos).http://es.noticias.yahoo.com/principal-imputado-juicio-siglo-acusa-lula-ser-jefe-054957125.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

CHILE - Reo denuncia que Lula "era el jefe" de red de corrupción juzgada en Brasil - (Réu denuncia que Lula era o chefe da rede de corrupção em julgamento no Brasil).
http://www.biobiochile.cl/2012/09/15/reo-denuncia-que-lula-era-el-jefe-de-red-de-corrupcion-juzgada-en-brasil.shtml

PANAMÁ - Lula "era el jefe" de red de corrupción juzgada en Brasil (Lula era o chefe da rede de corrupção no Brasil)
http://www.telemetro.com/inter/2012/09/15/114501/lula-era-jefe-red-corrupcion-juzgada-brasil#.UFcwqtATG1s.facebook

FRANÇA - Au Brésil, l'opérateur du scandale des années Lula prétend que le chef de l'Etat était au courant (No Brasil, o operador do Mensalão (Marcos Valério) diz que Lula sabia da trama.)
http://america-latina.blog.lemonde.fr/2012/09/15/au-bresil-loperateur-du-scandale-des-annees-lula-pretend-que-le-chef-de-letat-etait-au-courant/

ARGENTINA - Acusan a Lula de haber liderado una enorme red de corrupción – (Lula é acusado de liderar grande rede de corrupção)
http://www.lanacion.com.ar/1508847-acusan-a-lula-de-haber-liderado-una-enorme-red-de-corrupcion

HONDURAS - Acusan a Lula da Silva de ser jefe de red de corrupción – (Lula é acusado de ser chefe de rede de corrupção).
http://www.elheraldo.hn/Secciones-Principales/Mundo/Acusan-a-Lula-da-Silva-de-ser-jefe-de-red-de-corrupcion

MÉXICO - Empresario acusado por corrupción involucra directamente a Lula en fraude - (Empresário acusado de corrupção envolve Lula diretamente na fraude)
http://www.sinembargo.mx/15-09-2012/368039

VENEZUELA - Acusan a Lula de ser "el jefe" de la corrupución en el Brasil – (Lula é acusado de ser chefe da corrupção no Brasil).
http://dossier33.com/2012/09/acusan-a-lula-de-ser-el-jefe-de-la-corrupucion-en-el-brasil/

Clara da Rosa via facebook

domingo, 16 de dezembro de 2012

Quem é José Junior do AfroReggae ?

"O corpo do integrante do Afroreggae, Rafael Victório, foi sepultado na manhã deste domingo, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque. Cerca de 30 pessoas acompanharam o enterro do ex-traficante, que começou às 11h15m.

José Júnior, coordenador do Afroreggae, que havia acabado de viajar com Rafael para dar uma palestra, afirmou que a polícia já tem indícios da autoria do crime.


- O assassinato será resolvido em breve, mas não posso dar informações para não atrapalhar as investigações".




  A ONG tem hoje cerca de 300 funcionários e coordena entre 50 e 60 projetos. 
Abraça favelado, ama a favela e dá força pra ex-traficante sair do crime com ajuda do GOVERNO CABRAL é mole! Difícil  deve ser morar na Barra da Tijuca e andar de Land Rover com o nosso dinheiro!!!.




O coordenador de projetos sociais da ONG AfroReggae, foi assassinado em 2009.


Tânia era mediadora de conflitos e atuava em um grupo que conversava com criminosos para tentar diminuir a violência e os conflitos entre facções rivais, foi assassinada 2011. 






TRIBUNA DA IMPRENSA: Chega de intermediários. Vamos nomear logo José Júnior (AfroReggae) para a Secretaria de Segurança



BLOG DO GAROTINHO: José Júnior, do AfroReggae defende Elias Maluco, o assassinode Tim Lopes 
“O Elias Maluco é meu amigo pra c... Gosto dele. E te digo mais: não foi ele quem matou o Tim Lopes".


ROBIN HOOD DO MORRO: Criador da ONG AfroReggae, José Junior emprega ex-traficantes, capta R$ 20 milhões por ano, anda de Land Rover, viaja na classe executiva e é amigo de celebridades e políticos. “Isso, sim, é ter poder”


REVISTA ALFA: Elias foi condenado pela morte de Tim Lopes, mas fundador do AfroReggae diz que traficante não é responsável pelo crime
 "José Junior publica carta de Elias Maluco".


TRAFICANTE "MISTER M" TESTANDO O FUZIL 

Dez Meses após ser entregue a policia com ajuda da mãe na operação do Complexo do Alemão, o ex-traficante foi absolvido pelo crime de “Associação ao Tráfico”, pois não tinham provas para qualifica-lo como traficante ou pelo suposto homicídio ao ex-dono do morro do Alemão em 2007.







Sérgio Cabral - Histórias de Parceria - José Júnior

'Palácio' de Gericinó

Ministros, governadores, prefeitos, vereadores e chefes de polícia que venham a ser presos no Rio já têm onde ficar. Secretário de Administração Penitenciária, Cesar Rubens Monteiro de Carvalho decidiu que suas excelências irão para a Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira e para o Presídio Nelson Hungria, ambos no Complexo de Gericinó.

A medida faz parte de processo de organização do sistema penal. Quem for em cana por não pagamento de pensão alimentícia será levado para o Instituto Penal Edgard Costa, em Niterói.


EU ACREDITO EM PAPAI NOEL!

sábado, 15 de dezembro de 2012

AGU defende no Supremo norma federal que concede anistia a policiais e bombeiros militares

 
A Advocacia-Geral da União (AGU) elaborou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo norma federal que concede anistia aos policiais e bombeiros militares vinculados a vários Estados da Federação e punidos por participação em movimentos reivindicatórios por melhorias salariais e de condições de trabalho.
A norma é discutida na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 4869 proposta pelo Procurador-Geral da República contra a Lei Federal nº 12.505/2011. O autor questiona que a União não teria competência para conceder anistia relativamente a infrações administrativas cometidas por servidores estaduais.

A Secretaria-Geral de Contencioso (SGCT) manifestou-se pela improcedência do pedido, devendo ser declarada a constitucionalidade da Lei federal. Segundo o órgão da AGU, quando o tema envolver interesses de mais de um Estado, como é o caso, ou necessitar de um disciplinamento uniforme em todo o território nacional, a União deverá regular a matéria. O objetivo é evitar conflitos federativos.

O Procurador-Geral da República aponta ainda que a concessão de anistia pela federação aos policiais e bombeiros militares estaduais, nos moldes contemplados pela lei em exame, seria incompatível com a Constituição Federal, pois os membros possuem vínculo com os Estados e subordinam-se aos respectivos Governadores.

No entanto a manifestação da AGU destaca que a competência também cabe à União, pois a Lei Federal não instituiu anistia para militares de um único Estado do Brasil, mas dirigiu o benefício para diversos Estados, ou seja, ela é interestadual e não pode ser regulada por um único ente, sob pena de haver tratamento legislativo discriminatório.

O caso é analisado no STF pelo ministro relator Dias Toffoli.

A SGCT é o órgão da AGU responsável pelo assessoramento do Advogado-Geral da União nas atividades relacionadas à atuação da União perante o STF.

Ref.: ADI nº 4869 - STF

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Ex-Policiais presos no BEP são transferidos para presídio comum

Oficiais do Bope fizeram a transferência de 35 ex-policiais presos do Batalhão Especial Prisional (BEP) em Benfica, zona norte do Rio, para o complexo penitenciário de Bangu.


Voto eletrônico: Hacker de 19 anos revela no Rio como fraudou eleição

 Um novo caminho para fraudar as eleições informatizadas brasileiras foi apresentado ontem (10/12) para as mais de 100 pessoas que lotaram durante três horas e meia o auditório da Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Rio de Janeiro (SEAERJ), na Rua do Russel n° 1, no decorrer do seminário “A urna eletrônica é confiável?”, promovido pelos institutos de estudos políticos das seções fluminense do Partido da República (PR), o Instituto Republicano; e do Partido Democrático Trabalhista (PDT), a Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini.
Acompanhado por um especialista em transmissão de dados, Reinaldo Mendonça, e de um delegado de polícia, Alexandre Neto, um jovem hacker de 19 anos, identificado apenas como Rangel por questões de segurança, mostrou como — através de acesso ilegal e privilegiado à intranet da Justiça Eleitoral no Rio de Janeiro, sob a responsabilidade técnica da empresa Oi – interceptou os dados alimentadores do sistema de totalização e, após o retardo do envio desses dados aos computadores da Justiça Eleitoral, modificou resultados beneficiando candidatos em detrimento de outros – sem nada ser oficialmente detectado.
“A gente entra na rede da Justiça Eleitoral quando os resultados estão sendo transmitidos para a totalização e depois que 50% dos dados já foram transmitidos, atuamos. Modificamos resultados  mesmo quando a totalização está prestes a ser fechada”, explicou Rangel, ao detalhar em linhas gerais como atuava para fraudar resultados.
O depoimento do hacker – disposto a colaborar com as autoridades –  foi chocante até para os palestrantes convidados para o seminário, como a Dra. Maria Aparecida Cortiz, advogada que há dez anos representa o PDT no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para assuntos relacionados à urna eletrônica; o professor da Ciência da Computação da Universidade de Brasília, Pedro Antônio Dourado de Rezende, que estuda as fragilidades do voto eletrônico no Brasil, também há mais de dez anos; e o jornalista Osvaldo Maneschy, coordenador e organizador do livro Burla Eletrônica, escrito em 2002 ao término do primeiro seminário independente sobre o sistema eletrônico de votação em uso no país desde 1996.
Rangel, que está vivendo sob proteção policial e já prestou depoimento na Polícia Federal, declarou aos presentes que não atuava sozinho: fazia parte de pequeno grupo que – através de acessos privilegiados à rede de dados da Oi – alterava votações antes que elas fossem oficialmente computadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).
A fraude, acrescentou, era feita em benefício de políticos com base eleitoral na Região dos Lagos – sendo um dos beneficiários diretos dela, ele o citou explicitamente, o atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado Paulo Melo (PMDB). A deputada Clarissa Garotinho, que  também fazia parte da mesa, depois de dirigir algumas perguntas a Rangel  - afirmou que se informará mais sobre o assunto e não pretende deixar a denúncia de Rangel cair no vazio.
Fernando Peregrino, coordenador do seminário, por sua vez, cobrou providências:
“Um crime grave foi cometido nas eleições municipais deste ano, Rangel o está denunciando com todas as letras –  mas infelizmente até agora a Polícia Federal não tem dado a este caso a importância que ele merece porque  ele atinge a essência da própria democracia no Brasil, o voto dos brasileiros” – argumentou Peregrino.
Por ordem de apresentação, falaram no seminário o presidente da FLB-AP, que fez um histórico do voto no Brasil desde a República Velha até os dias de hoje, passando pela tentativa de fraudar a eleição de Brizola no Rio de Janeiro em 1982 e a informatização total do processo, a partir do recadastramento eleitoral de 1986.
A Dra. Maria Aparecida Cortiz, por sua vez, relatou as dificuldades para fiscalizar o processo eleitoral por conta das barreiras criadas pela própria Justiça Eleitoral; citando, em seguida, casos concretos de fraudes ocorridas em diversas partes do país – todos abafados pela Justiça Eleitoral. Detalhou fatos ocorridos em Londrina (PR), em Guadalupe (PI), na Bahia e no Maranhão, entre outros.
Já o professor Pedro Rezende, especialista em Ciência da Computação, professor de criptografia da Universidade de Brasília (UnB), mostrou o trabalho permanente do TSE em “blindar” as urnas em uso no país, que na opinião deles são 100% seguras. Para Rezende, porém, elas são “ultrapassadas e inseguras”. Ele as comparou com sistemas de outros países, mais confiáveis,  especialmente as urnas eletrônicas de terceira geração usadas em algumas províncias argentinas, que além de imprimirem o voto, ainda registram digitalmente o mesmo voto em um chip embutido na cédula, criando uma dupla segurança.
Encerrando a parte acadêmica do seminário, falou o professor Luiz Felipe, da Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que em 1992, no segundo Governo Brizola, implantou a Internet no Rio de Janeiro junto com o próprio Fernando Peregrino, que, na época, presidia a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). Luis Felipe reforçou a idéia de que é necessário aperfeiçoar o sistema eleitoral brasileiro – hoje inseguro, na sua opinião.
O relato de Rangel – precedido pela exposição do especialista em redes de dados, Reinaldo, que mostrou como ocorre a fraude dentro da intranet, que a Justiça Eleitoral garante ser segura e inexpugnável – foi o ponto alto do seminário.
Peregrino informou que o seminário  será transformado em livro e tema de um documentário que com certeza dará origem a outros encontros sobre o mesmo assunto – ano que vem. Disse ainda estar disposto a levar a denuncia de Rangel as últimas conseqüências e já se considerava um militante pela transparência das eleições brasileiras: “Estamos aqui comprometidos com a trasnparência do sistema eletrônico de votação e com a democracia no Brasil”, concluiu. (OM)

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

CORREGEDOR DA PM QUER PRENDER CAPITÃO POR FAZER VÍDEO EVANGÉLICO

Durante a campanha eleitoral,o Governador Sérgio Cabral utilizou vários PMs fardados dando declarações a favor das UPPs.
Entretanto,só porque eu fiz um vídeo,também fardado,defendendo minha Fé Cristã contra a convocação do Governador para que os PMs participassem da Parada Gay fardados e até com viaturas da Corporação,o Comando da PM e o Corregedor querem me prender.
A acusação é que fiz um vídeo político fardado,só que na verdade é um vídeo puramente religioso,Teológico,preguei fardado como sempre PMs pregaram fardados nos quartéis,a diferença é que hoje existe o celular para filmar.
Ora,e se o vídeo fosse político, estaria errado?
Quer dizer que os PMs podem participar da propaganda eleitoral gratuita,fardados,em apoio ao Governador,mas se fizer um vídeo fardado de oposição é transgressão disciplinar?
Quer dizer que o PM pode ir à Parada Gay fardado,mas fazer um vídeo fardado defendendo sua Fé Cristã é Transgressão Disciplinar? ( BLOG MILITAR LEGAL )
ASSISTA O VÍDEO DO CAPITÃO MELQUISEDEC AQUI


MINHA SOLIDARIEDADE AO CAPITÃO PM MELQUISEDEC NASCIMENTO

sábado, 8 de dezembro de 2012

DIA DO BASTA!



Em todo Brasil, são 52 cidades confirmadas para marcha contra corrupção

 

Local de concentração: Cinelândia (em frente a câmara dos vereadores)
Hora: 16:00
Destino: Arcos da Lapa (percurso será via aterro)


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Covardemente e arbitrariamente perseguidos pelo governador Sérgio Cabral.

PARA A JUSTIÇA BONS POLICIAIS, PARA A PMERJ, CRIMINOSOS.



APROVAÇÃO DA ANISTIA DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES NA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA

'Meu filho morreu honrando a farda', diz pai de PM morto no Alemão



Cabo da Policia militar Fábio Barbosa da Silva, de 38 anos, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Alemão, foi enterrado nesta quinta-feira, às 16h30m, no Cemitério Jardim da Saudade.

 Emocionado, o pai do policial, Clécio Ângelo, 66 anos, disse que o filho morreu honrando a farda. “Tenho orgulho dele. Foi morto defendendo a população. Fica a dor no meu coração”. Fábio tinha filha de 9 anos e,  estava na corporação há quase dez

BOMBEIROS vítimas do abuso de autoridade

Os bombeiros que ficaram presos na Penitenciária de Bangu 1, em fevereiro de 2012, por conta de protestos na corporação, apresentaram queixa-crime por Abuso de Autoridade contra o Secretário de Estado e Defesa Civil e Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Coronel SÉRGIO SIMÕES, o Diretor do presídio ROGÉRIO BLANK e o Coronel CAMILO RIBAMAR (comandante do GEP).
Os três são acusados de abuso porque não recolheram os presos em quartéis de bombeiros e porque não lhes entregaram as cópias dos mandados de prisão, como manda a legislação castrense. É feita também uma comparação com o tratamento dispensado a milicianos que são acusados de crimes muito graves e que ficam presos em quartéis.
A queixa-crime, assinada pelo advogado Carlos Azeredo e protocolada no Tribunal de Justiça, pede que os acusados sejam condenados à perda do cargo, detenção e multa, além de terem que indenizar as vítimas do abuso.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

DESMORALIZAÇÃO TOTAL

Impossível que o comandante do 15° BPM não sabia de nada , pois ele contava com os policiais da P2 e com a própria inteligência.

PARABÉNS BOMBEIROS!


domingo, 2 de dezembro de 2012

Beltrame: "Estamos entregando uma nova cidade para a cidade"


O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, reclama da lentidão com que os projetos sociais são feitos nas comunidades pacificadas e diz que elas deveriam ser priorizadas pela prefeitura

Melquisedec Nascimento lança seu primeiro livro

O livro: A Ortodoxia Cristã.
Dia 14 de dezembro, sexta-feira, a partir das 18hs, lançamento do primeiro livro de Melquisedec Nascimento.Local: Salão do Mont Blanc Apart Hotel, situado na Rua Passo da Pátria, 105, esquina com a Av Brigadeiro Lima e Silva, no Bairro 25 de Agosto, Duque de Caxias-RJ. 

A Palestra sobre o livro começará às 20hs.

Preço do livro: R$ 19,90

Proteger quem nos protege

Nos países mais civilizados, o policial está amparado pela legislação para, se preciso for, atuar em defesa de sua vida e pela segurança da sociedade antes que o marginal efetue o primeiro disparo. No Brasil, mesmo que isso custe sua vida, o policial tem que pensar muito antes de puxar o gatilho, pois, por mais que esteja sob uma enxurrada de tiros de fuzil, pode responder por excesso se alvejar seu quase algoz com mais de um tiro. Ou ainda, pode ter sobrevivido a uma situação como essa e, dez anos depois, ter sua absolvição por legítima defesa desarquivada com base numa nova, e tendenciosa, análise de laudos cadavéricos.

Aqueles que vencem a luta diária por sua própria sobrevivência, mas sofrem alguma sequela, física ou mental, enfrentam sérias dificuldades para se tratarem. A começar pelo Estado, que atua judicialmente contra policiais tetraplégicos, paraplégicos e amputados, em razão do serviço, para cortar seus triênios integrais sem que nenhuma compensação seja dada a esses cidadãos, que, certamente, não queriam ser beneficiários do auxílio-invalidez.

O marginal atenta contra a vida do policial ou de seus familiares para intimidá-los, cientes da impunidade e do baixo rigor da lei para crimes cometidos contra quem se dispôs a dar a vida pela nossa segurança. Um grande, e infeliz, exemplo é a onda de terror que assola o estado de São Paulo, que já fez as famílias de quase cem policiais militares chorarem neste ano. No Rio de Janeiro, já são quase de 130 policiais baleados e mais de 60 mortos em 2012.

Amanhã, a Alerj dará seu apoio institucional ao projeto de lei de iniciativa popular para tornar mais duras as penas de crimes cometidos contra esses profissionais. Faça sua parte, assine também e ajude a proteger quem nos protege. Afinal, estamos do mesmo lado.
Flavio Bolsonaro é deputado estadual pelo PP

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Chegou o momento de dizermos o que pensamos sobre as últimas medidas do governo.


A questão social nas favelas com UPPs é mal resolvida

Informe do Dia: 'Policial de UPP não tem que dar aula de violão'

Professora da Escola Brasileira de Administração Pública/FGV, Sônia Fleury diz que o estado está longe de garantir direitos sociais de moradores de favelas com UPPs. Hoje e amanhã, ela coordena, no Morro Santa Marta, em Botafogo, debate sobre as comunidades pacificadas.

— O que muda nas regras das favelas após a chegada da UPP?
Quando você tira o poder do tráfico de drogas, há um novo ordenamento na favela. O Estado dá ao comandante da UPP o poder de tomar decisões que não condizem com a função da polícia. Não é atributo do policial ser bonzinho e dar aula de violão.

—Como isso afeta a vida das pessoas?
Isso leva a decisões arbitrárias, já que cada comandante decide o que deve acontecer nas favelas da forma como julga melhor. No caso do funk, por exemplo, há UPPs que permitem as festas, outras não. Isso também vale para as obras na região. No Vidigal, a iniciativa privada está construindo um hotel, mas os moradores não têm permissão para realizar obras em suas casas.

— Como a sra. avalia as iniciativas sociais nas favelas?
A questão social nas favelas com UPPs é mal resolvida. Existe uma política clara e coordenada de ocupação, mas as iniciativas para garantir o cumprimento de direitos sociais são difusas e pontuais. Não há coordenação de políticas públicas para garantir direitos básicos como saneamento, educação, saúde e moradia.

domingo, 25 de novembro de 2012

Paes e a Delta no telefone: CPI flagrou prefeito do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e a construtora Delta trocaram 22 telefonemas de março de 2009 e abril de 2010. A Delta fez 17 ligações para Paes. Ele, as outras cinco. As chamadas, disparadas por celulares ou aparelhos da Nextel, foram registradas nos documentos da malfadada CPI do Cachoeira. As conversas coincidem com as obras do Parque Madureira, dois viadutos e a duplicação de duas vias. Esses contratos foram firmados com dispensa de licitação e estão sendo investigados pelos promotores fluminenses. A prefeitura afirma que a CPI exagera. Parte das ligações atribuídas a Paes foram feitas por um telefone de um dos secretários do município. A Delta diz que os números obtidos pela CPI não são usados por seus funcionários, mas pela Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro, que contratou a construtora.
REVISTA ÉPOCA

ATO CONTRA RESORT ► Flores chegaram a ser entregues aos policiais militares

A área próxima à reserva ambiental de Marapendi, na Barra da Tijuca, teve um público diferente na manhã deste sábado(24). Foram os cerca de 400 ativistas pela não construção de um resort na área que já pertenceu à reserva, que fincaram cruzes verdes na areia da praia em frente à reserva, onde o movimentou se concentrou. E, diferente da primeira manifestação, no dia 17, o clima desta vez foi tranquilo.

Os ativistas chegaram a entregar flores aos policiais militares presentes, demonstrando o pacifismo do movimento. Não deixaram, porém, de cantar músicas de protesto contra o atual prefeito, Eduardo Paes, além de fazer apelos pela preservação da natureza.

"Não somos  arruaceiros"
Em uma manifestação tranquila, chamou a atenção a entrega de flores aos soldados da Polícia Militar, que fazia a segurança no local. Raphael Lopes, um dos organizadores do Movimento S.O.S Reserva, conclamou os ativistas ao ato:
"Essa é uma vingança pacífica contra a repressão que aconteceu na semana passada", gritava Lopes, em referência ao gás de pimenta usado pela polícia contra os manifestantes no dia 17. Em seguida, ele pediu aplausos aos policiais que ali estavam, no que foi prontamente atendido pelos manifestantes.
Eliane Farias, outra organizadora do ato deste sábado, disse que quase foi presa na semana passada. "O policial perguntou se eu queria virar mártir", lembra. Em discurso, fez questão de ressaltar o caráter pacífico do movimento: "Não somos  arruaceiros. Em apenas uma semana nos fizemos presentes e estamos sendo ouvidos, e isso não pode parar", disse Eliane, abafada pelos aplausos.
Tadeu Carvalho, representante da ONG S.O.S Autódromo, fez duras críticas à administração atual da cidade, tendo em vista os grandes eventos que o Rio receberá até 2016:
"Estão destruindo da natureza por causa de alguns dias daqui a dois ou quatro anos. Estão usando a Copa do Mundo e as Olimpíadas para vender esta cidade. Onde está o Ministério Público?", questionou Carvalho.
O peso, porém, estava só nas críticas. Diferente da semana passada, quando os dois sentidos da rua foram fechados, causando tumulto, apenas dois minutos eram usados para a tomada da pista, por recomendação dos próprios organizadores da manifestação."Na semana passada, os carros não podiam nem passar. Hoje nosso trabalho está mais tranquilo, pode ter certeza", disse um guarda municipal.

CONTINUE LENDO (FOTOS DO ATO) CLICANDO AQUI

PORRADARIA NO BARRA SHOPPING: Guarda Municipal X ambulantes

sábado, 24 de novembro de 2012

Desgastado, Cabral tenta mobilizar a população contra mudança nos royalties

 


Na votação do projeto da lei que redistribui os royalties do petróleo, o governador Sérgio Cabral Filho esbanjou arrogância e incompetência. Demonstrou total incapacidade de articulação no Congresso Nacional. Preferiu depositar todas as fichas no veto presidencial. Agora, diante da possibilidade de ser jogado às feras, tenta criar fatos com mobilização na Avenida Rio Branco.
Sérgio Cabral não está à altura da importância do Estado do Rio de Janeiro. É um fanfarrão. Desde que foi flagrado com secretários em festas suspeitas com o empreiteiro Fernando Cavendish, em Paris, mergulhou num processo de desmoralização pública sem precedentes no atual governo.
Em qualquer país sério, um governador flagrado nessas circunstâncias teria renunciado a bem da administração pública. Mas aqui são poucos os homens públicos que tem vergonha, e no Estado do Rio, não é de hoje, a sarjeta chegou ao poder.
O governador do Estado não tem a menor credibilidade para se impor diante de uma bancada parlamentar. Até há pouco estava de joelhos implorando para que não fosse investigado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investigava as relações entre empreiteira Delta, do seu ex-amigo Cavendish, e o bicheiro Carlinhos Cachoeira.
O desgaste moral do governador é visível. Ele não tem a menor condição de representar o interesse do Estado do Rio neste debate, por mais que sua arrogância persista.
TRIBUNA DA INTERNET

No Alasca, royalties vão para o bolso do cidadão.

 TEXTO DE SÉRGIO RICARDO ECOVERDE
O Sintsama, sindicatos dos trabalhadores e técnicos da CEDAE, movimentos comunitários, grupos ecologistas e de mídia livre estarão lá em contra protesto no ato na Candelária dia dia 26/11/2012, 14 h, com carro de som, faixas, venha
se somar à distribuição de milhares de carta-manifesto à sociedade contra a tramóia com dinheiro público que é a tentativa de privatização das águas e do patrimônio da CEDAE; que encontra-se neste momento com ações à venda na Bolsa de Valores do Rio.

Artigo: Os povos da Baía de Guanabara e o meio ambiente estão excluídos da farra dos bilionários royalties do petróleo

É essencial refletir e politizar mais e melhor o debate sobre o destino e uso (na verdade, em geral mau uso) dos royalties do petróleo, em especial no Estado do Rio de Janeiro que produz 82% do petróleo e gás do país, e, portanto, tem sido historicamente um dos maiores beneficiários dos recursos financeiros dos royalties. O desgoverno Cabral (PMDB) tem feito de forma absolutamente ilegal e irregular uma brutal transferência de dinheiro público (R$ do FECAM-Fundo Estadual de Conservação Ambiental) para grandes empreiteiras de lixo, construtoras privadas, indústrias sujas e especuladores imobiliários.

O GOERJ também não cumpre o percentual de transferência de 10% do montante dos royalties a que tem direito e que, por lei federal, deve ser obrigatoriamente destinado para políticas ambientais, de saneamento, reflorestamento, proteção dos recursos hídricos, reciclagem de lixo etc (via FECAM).

Há tempos tem havido sistemática má versação no uso do dinheiro público da chamada “conta petróleo”, e falta transparência e publicidade na utilização de toda essa grana. Até hoje não temos o Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE-RJ) e os Zoneamentos Costeiro, dos Territórios Pesqueiros e Agro-ecológico do estado do RJ que deveria ser projeto prioritário a ser financiado pelo FECAM.

O Comitê de Defesa do Litoral (CODEL) nunca saiu do papel, é mais uma das muitas leis de papel que são ignoradas por governos autoritários e pouco afeitos ao jogo democrático; o que tem inviabilizado a participação popular, das universidades e centros de pesquisa, movimentos sociais e órgãos públicos federais, estaduais e dos municípios na gestão democrática do litoral fluminense.

Enquanto isso a indústria petrolífera aumenta seu passivo socioambiental: com a REDUC-refinaria Duque de Caxias, construída nos anos 50, operando com milhares de equipamentos obsoletos e de elevado Risco Ambiental que lança poluente água de produção contendo diversos produtos químicos (tais como BIOCIDAS, ANTI-CORROSIVOS, ANTIESPUMANTES, INIBIDORES DE PARAFINA, ETANOL, SEQUESTRANTES DE OXIGÊNIO, METAIS PESADOS, ELEMENTOS RADIOATIVOS, dentre outros, nas águas do rio Iguaçu e da baía.

Deve se estar em alerta com a implantação da mega-refinaria do COMPERJ (PETROBRAS), em Itaboraí, e vários oleodutos, gasodutos que vem sendo construídos no interior da baía e impactam os manguezais da APA Federal de Guapimirim e criam as zonas/áreas de exclusão de pesca que tiram o Direito ao trabalho de milhares de pescadores artesanais e marisqueiras.

Ainda hoje, a Refinaria lança seus efluentes na Baía sem tratamento e a PETROBRAS, mesmo condenada na Justiça, nunca indenizou os pescadores(as) prejudicados pelo vazamento de 1,8 milhões de litros de óleo, ocorrido em 18 de janeiro de 2000, no duto da REDUC que a liga até a Ilha D´Água, o que contribuiu significativamente para a drástica produtividade pesqueira da baía e empobreceu as populações tradicionais, como os pescadores artesanais cuja categoria profissional e cultura encontra-se ameaçada de extinção!

Apesar da ânsia para explorar as riquezas do Pré-sal a toque de caixa, o Brasil não tem Plano de Emergência e Contingência no caso de vazamento/acidente com óleo no mar.

Na maioria dos países os royalties visam compensar eventuais danos sócio-ambientais provocados pela indústria petrolífera que impactam atividades econômicas como o turismo, a pesca e o lazer náutico; e por isso estes recursos públicos lá são investidos no desenvolvimento das áreas de ciência e tecnologia, proteção ambiental, tecnologias limpas, energias renováveis, em educação ambiental e pesquisas e proteção dos oceanos.

Infelizmente, o Congresso Nacional brasileiro acabou de rejeitar sua destinação exclusiva (ou em maior parte) p/ melhoria da Educação pública, o que seria uma proposta excelente, transformadora da sociedade. Por aqui não há qualquer transparência, publicidade ou controle social no uso (em geral mau uso) dos recursos dos royalties.

O mesmo desgoverno que promove desvio de função, superfaturamentos e corrupção com a bilionária receita anual dos royalties é o que patrocina a tramóia com dinheiro público que é a tentativa de privatização das águas e do patrimônio da CEDAE; que encontra-se neste momento com ações à venda na Bolsa de Valores do Rio.

Aqui os povos da Baía de Guanabara e o meio ambiente estão fora e excluídos da farra das elites governantes com os dos bilionários royalties que lambuzam alguns governos, corporações e as oligarquias políticas.

Já no Alasca, royalties vão para o bolso do cidadão. LEIA CLICANDO AQUI

Eu quero Cabral na CPI do Cachoeira

 
Tudo indica que aos brasileiros honestos só restarão as lamúrias. Quando a incompetência se une ao banditismo, as coisas não ficam como estão: pioram.

O relatório final da CPI do Cachoeira deve ser lido nesta quarta-feira (28). Entregue na última quarta-feira (21) pelo relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), o texto não é consenso entre os integrantes da CPI e parte dos parlamentares promete a apresentação de voto em separado.

O relatório não deverá ser votado, já que parlamentares anunciaram a intenção de pedir vista do texto, que pede o indiciamento de 34 pessoas, incluindo Carlos Augusto Ramos, o Carlonhos Cachoeira, e a responsabilização de 12 pessoas que têm foro privilegiado. Os trabalhos da CPI têm encerramento previsto para 22 de dezembro.

A leitura do texto, que estava marcada para a última quarta-feira, já foi adiada por duas vezes. Na primeira, integrantes da CPI alegaram que o prazo entre a entrega e a leitura deveria ser de pelo menos 24 horas. O segundo adiamento ocorreu a pedido de Odair Cunha, que ainda pode alterar o texto em busca de consenso para a aprovação.

Entre os principais pontos de discórdia está o fato de ele propor a responsabilização criminal do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) e poupar o governador do Distrito federal, Agnelo Queiroz (PT). Também há divergências sobre o pedido de indiciamento de jornalistas, entre eles Policarpo Junior, da revista Veja, e críticas sobre o pedido de investigação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, a ser encaminhado ao Conselho Nacional do Ministério Público.

Mesmo com a decisão do relator de adiar a leitura, na última quinta-feira (22), parlamentares contrários ao encerramento dos trabalhos da CPI em dezembro protocolaram representação para que o Ministério Público prossiga com as investigações. Entre outras providências, o documento sugere a investigação do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), amigo de Fernando Cavendish, dono da empreiteira Delta Construções. De acordo com a Polícia Federal, a Delta repassou quase R$ 100 milhões a empresas de fachada ligadas ao esquema de Cachoeira.

A leitura do relatório está marcada para as 10h15, na sala 2 da ala Nilo Coelho. O relator deve ler apenas um resumo, já que o texto tem mais de 5 mil páginas. O relatório, dividido em dois arquivos, está disponível na página da CPI na internet.

190: serviço de emergência da PM recebe 5.000 trotes por dia

“Por falta de comunicação, estou encerrando a ligação”. Esta frase é pronunciada cerca de 5.000 vezes por dia por atendentes do serviço de emergência da Polícia Militar do Rio de Janeiro, o 190. É assim que eles encerram a maior parte dos trotes ou ligações consideradas indevidas, que respondem por 25% do total de atendimentos diários do serviço, que variam de 20 mil a 22 mil na região metropolitana do Rio. Ouça abaixo alguns exemplos de trotes à PM do Rio.




Leia a reportagem toda  CLICANDO AQUI

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

ACADEPOL INVESTIGA CANDIDATOS DO ÚLTIMO CONCURSO

► Pelo menos 30 candidatos teriam se declarado negros — apenas para se beneficiar das cotas raciais. ►Mas, de acordo com os investigadores, eles teriam sido desmascarados por suas próprias fotos publicadas em seus perfis no Facebook.
►Há quem defenda que, no fim do inquérito, se comprovada a artimanha, os candidatos sejam eliminados do concurso e denunciados pelo Ministério Público pelos crimes de falsidade ideológica e fraude.
Polêmica à vista

►A investigação certamente vai gerar muita discussão.
► No Brasil, cabe a cada pessoa se declarar negro ou não.

Carlinhos Cachoeira ganha alvará de soltura


O empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi condenado nesta terça-feira (20) a cinco anos de prisão como consequência da Operação Saint-Michel, que apurou irregularidades no sistema de transporte público no Distrito Federal. Como a pena é inferior a oito anos, o regime inicial da prisão deve ser semiaberto e o empresário pode ser solto a qualquer momento. A decisão é da juíza Ana Cláudia Barreto, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).
Ainda na tarde desta terça-feira, a juíza expediu um alvará para soltar Carlinhos Cachoeira. O alvará foi encaminhado para o presídio da Papuda, em Brasília, onde o contraventor está preso, e a previsão é que ele seja solto depois de fazer exame de corpo de delito.
Cachoeira foi preso no dia 29 de fevereiro como resultado da Operação Monte Carlo, que apurou corrupção e exploração ilegal de jogos na esfera federal. Desde então, o empresário ficou preso preventivamente no Distrito Federal e em Goiás. Vários pedidos de liberdade foram formulados nos dois processos, mas sempre esbarravam em decisões que alegavam o alto poder de influência de Cachoeira para mantê-lo preso.
Na Justiça Federal, a última decisão liminar do caso, do dia 15 de outubro, garantia a liberdade do empresário em relação à Operação Monte Carlo. No entanto, ele não pôde ser solto devido aos desdobramentos da Operação Saint-Michel.
De acordo com o advogado do empresário, Nabor Bulhões, a decisão da juíza Ana Cláudia Barreto veio no momento em que o TJDFT estava próximo de conceder liberdade a Cachoeira. “A juíza que decretou a prisão, duríssima, ao receber as razões da defesa e os documentos provando que não tinha motivo para manutenção da prisão porque os crimes imputados de tráfico de influência não ocorreram, permitiu a liberdade. Pode ter havido, eventualmente, formação de quadrilha, mas isso não justificava a manutenção da prisão”.
De acordo com Bulhões, seu cliente pode ser solto porque os impeditivos relativos à operação Monte Carlo “não prevalecem mais, não tem nada a ver com a situação”. Ele ainda informa que o alvará de soltura está sendo providenciado e que Cachoeira pode ser solto do Presídio da Papuda, onde está detido em Brasília, ainda hoje.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Corregedoria prende nove PMs por corrupção no Rio

Cinco sargentos, três cabos e um soldado da Polícia Militar estão sendo investigados por envolvimento em um esquema de corrupção em um posto de patrulhamento rodoviário em Nova Friburgo, na região serrana. Veja no vídeo como funcionava o esquema de cobrança de propina.


Polícia usará arma de choque contra viciados em crack

As polícias do Brasil terão armas de choque e spray de pimenta para conter dependentes de crack. A distribuição desses dispositivos é uma das ações previstas no programa "Crack, é possível vencer", do Ministério da Justiça.
A utilização de força policial, incluindo armas não letais, para o controle de dependentes é controversa.
Em São Paulo, operação iniciada em janeiro por Estado e prefeitura foi criticada por especialistas, que defendiam foco maior em saúde.
A orientação para o uso de armas de choque, chamadas de taser, é da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), ligada ao ministério.
Segundo nota da pasta, a intenção é que "os policiais tenham opções menos letais, principalmente para situações em que existem aglomerados de pessoas".
A determinação foi motivada pela portaria 4.226, de 2010, do ministério e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência. A orientação é que as armas sejam usadas só por policiais treinados.
 
PROGRAMA
Até agora, 12 Estados estão no programa federal, totalizando R$ 62 milhões em recursos. O Rio recebeu mais recursos: R$ 9 milhões. O próximo a aderir deve ser São Paulo.
Além de armas, o programa prevê treinamento de policiais e a compra de câmeras para monitorar cracolândias.
No Rio, serão treinados 200 policiais. Os equipamentos, 250 armas de choque e 750 sprays de pimenta, já chegaram, segundo a Secretaria de Segurança do Rio.
Em nota, a pasta disse que as armas "serão usadas apenas em caso de extrema necessidade por agentes policiais" e que não há "qualquer estratégia repressiva de tratamento de choque para usuários".
Os 150 homens da Força Nacional que desde maio ocupam o morro do Santo Amaro, zona sul, já usam armas de choque em ações contra viciados.

Le Mans. Bombeiros em greve bloquearam o bonde

Um grupo de bombeiros bloqueou o bonde esta manhã por volta das 9h, na Place de la République, o Le Mans. A ação simbólica lançada pela União do Sul, recentemente criado. O sindicato convocou a greve até 2 de dezembro. Este movimento não terá impacto sobre o alívio: o prefeito réquisitionnera que puder, os bombeiros precisavam atividade diária. Tal como outros movimentos de fogo, na França, a união minoria deseja alertar o conselho e elegeu uma nova cadeia, criada em 1 de maio. "Sua aplicação retarda a progressão das carreiras, porque incorpora um novo posto de Cabo. Esta extensão irá gerar uma perda de remuneração. "Os grevistas exigiam uma compensação financeira por isso. MAVILLE.COM

Policiais militares recebem orientação para atendimento ao público LGBT

Policiais militares e civis que trabalham na área de Copacabana, na Zona Sul do Rio, receberam na manhã desta quarta-feira (14) orientações para atender ao público de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) no bairro. O objetivo da capacitação é qualificar os agentes para abordagem aos homossexuais em geral, como também aos que estarão presentes na 17ª Parada do Orgulho LGBT-Rio 2012, que acontece neste domingo (18) na orla.
Todas as instruções foram passadas pelo coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, no 19º BPM (Copacabana). De acordo com ele, a iniciativa - batizada de "Rio sem homofobia e com mais segurança" - é um grande marco na história da cidade.
"É a primeira vez que este tipo de orientação acontece. Esta ação política e, ao mesmo tempo, pública servirá para que tenhamos todo um cuidado na abordagem desta identidade LGBT. Sabemos que Copacabana é um bairro onde tem uma grande concentração deste público e que todo ano tem a parada [LGBT] também. Os policiais não vão fazer nada de diferente, apenas saber abordar este público e coibir qualquer tipo de excesso, como acontece também com o público heterossexual. O importante é ter respeito à diversidade e aos direitos humanos", explicou Nascimento.

sábado, 10 de novembro de 2012

Usuários de crack se arriscam entre carros na Avenida Brasil


Motoristas enfrentam mais um problema diário na Avenida Brasil, além do já conhecido engarrafamento. Usuários de crack são vistos, dia e noite, se arriscando ao atravessar entre os veículos. Na manhã deste sábado, mais uma cena protagonizada por estes usuários chamou a atenção daqueles que cruzaram a avenida.
Três jovens ajudavam a empurrar um carro  enguiçado no meio da Avenida Brasil, na altura da entrada para a Ilha do Governador, local onde há uma conhecida "cracolândia". Um deles, que portava um tubo feito de papelao, chegou a subir e sentar no automóvel. 


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Lei Seca: deputado Rodrigo Bethlem se recusa a soprar o bafômetro

O poderoso deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB) e futuro secretário de Governo do prefeito do Rio, Eduardo Paes, caiu na rede da Operação Lei Seca, na Avenida Epitácio Pessoa, na Lagoa, na madrugada desta segunda-feira.
E o moço, criador do novo conceito de Ordem Pública (foi o primeiro "xerife urbano" do governador Sérgio Cabral), não quis conversa com os agentes.
Simplesmente, ele se recusou a soprar o bafômetro.
Seu carro, um Toyota Corolla, foi liberado porque Bethlem apresentou um condutor autorizado. E sóbrio.
Bethlem seguiu sentadinho no banco do carona.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Traficantes do morro da Serrinha decidem parar com a venda de crack



Os traficantes do morro da Serrinha, em Madureira, resolveram parar de vender crack na região, pois o comércio da droga atrapalha os negócios, já que atrai cada vez mais a polícia e usuários. Em algumas das entradas da favela da zona norte, os bandidos até espalharam faixas comunicando a decisão. 


domingo, 4 de novembro de 2012

Carta de facção encontrada pela polícia de São Paulo diz: ‘Só quero meter bala na PM’

Uma carta apreendida durante um flagrante de tráfico de drogas chamou atenção da polícia, neste sábado, em São Vicente. Em um dos trechos, quem escreveu disse que quer “mete (sic) bala na PM” e colocou a sigla PCC (Primeiro Comando da Capital) no final da folha. No texto, ele também diz que, “se a base encosta, bota eles (sic) para andar”. Os dois detidos nada disseram sobre a carta.

O flagrante aconteceu na esquina da Rodovia dos Imigrantes com Avenida Paulo Horneaux de Moura. Por volta das 7h30, uma equipe da PM foi até lá checar denúncia anônima. Os dados indicavam que havia uma pessoa com entorpecentes no acostamento da rodovia.

No local, a PM viu o vendedor Willian Batista de Oliveira, de 19 anos, mexendo em algo no chão e o outro acusado, o servente Jefferson Leandro Nascimento Gonçalves, de 20 anos, vendo o movimento. Ao notar a presença da viatura, Jefferson avisou o outro homem, que tentou disfarçar.

Durante a abordagem, os policias encontraram uma pochete no chão. Dentro dela, havia 45 porções de maconha, 108 pedras de crack e 38 porções de cocaína. Além da pochete, a PM encontrou uma sacola com Jefferson, onde estava a carta com a apologia ao crime.

Diante dos fatos, a dupla foi detida, e o caso, levado para a Delegacia Sede de São Vicente. A carta e o entorpecente foram apreendidos para realização de perícia.
 

PM é morta a tiros na frente da filha em São Paulo

Uma soldado da Polícia Militar foi morta a tiros na frente da filha de 9 anos, na Rua Dr. Roberto Zwuicker, na Vila Serralheiro, zona norte de São Paulo, por volta das 21h de sábado. Segundo a PM, a policial estava à paisana e chegava em casa, acompanhada da filha, quando foi retirada a força do carro. Os criminosos dispararam ao menos nove tiros contra a militar e fugiram.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Assassinos de vereador eleito em Niterói usaram carro alugado

O Fiat Palio placa HJG-2076, de Belo Horizonte, usado no assassinato do vereador eleito Lúcio Diniz Araújo Martelo, de 44 anos, o Lúcio do Nevada (PRP), quinta-feira em Niterói, pertence à Localiza, uma empresa de aluguel de veículos. Investigadores da 78ª DP (Fonseca) tentam descobrir o paradeiro do locatário. A vítima foi atingida por pelo menos 15 tiros de pistola calibre 9mm, no bairro de Santa Bárbara. Depois do crime, os assassinos abandonaram o carro na RJ-104 e fugiram. Eles, no entanto, deixaram suas digitais no veículo.
Procurada pelo Jornal Globo em Belo Horizonte, a assessoria da Localiza divulgou nota afirmando que não informa a identidade de seus clientes, “independentemente de qualquer acontecimento”.
No sábado, a polícia conseguiu identificar um dos dois bandidos que executaram o vereador eleito. No entanto, os investigadores não revelaram a identidade do assassino alegando que isto atrapalharia as investigações. No mesmo dia, parentes e amigos da vítima realizaram uma manifestação na Praia de Icaraí cobrando justiça.
— Identificamos um suspeito e poderíamos até divulgar sua foto, mas a Polícia Civil, de forma prudente, não vai revelar a identidade nem a imagem para não atrapalhar as investigações — explicou Guimarães. — Pelas circunstâncias do crime e nas informações levantadas pela investigação, que continua de forma ininterrupta desde o crime, a polícia confirma que foi uma execução.
Lucio do Nevada foi eleito este ano pela primeira vez, após três tentativas. Com 4.103 votos, foi o sexto mais votado na cidade. Empresário ligado à indústria naval, Lucio fazia parte da mesma coligação do candidato à prefeitura Felipe Peixoto (PDT), que foi derrotado pelo petista Rodrigo Neves no segundo turno no domingo.

Vingança 
A polícia em Niterói anda  preocupada. Recebeu  informes de que um grupo  de amigos do vereador eleito  Lúcio do Nevada assassinado, teria começado uma caça aos assassinos. Policiais correm para chegar aos responsáveis antes que ocorra um novo crime

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Pacientes do hospital público elogiam atendimento e mandam recado ao secretário de Saúde

Miguel Couto: pode ir sem medo, SÉRGIO CÔRTES
                                                  DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS


Pacientes do hospital público elogiam atendimento e mandam recado ao secretário de Saúde
 "Minha filha foi muito bem atendida aqui e tenho certeza de que ele também seria. Ainda mais sendo o secretário de Saúde. Pode vir para cá, secretário!", disse Alexandra Borges Gomes, de 28 anos, enquanto aguardava, na emergência do Hospital municipal Miguel Couto, na Gávea, o resultado dos exames feitos na pequena Thayná, de 2 anos, que sentia dores na barriga e já havia vomitado algumas vezes.
A diarista se referia ao secretário estadual de Saúde, Sérgio Cortes, que, ao sofrer intoxicação por fumaça e um corte na perna num incêndio que atingiu sua cobertura dúplex, na Lagoa, na madrugada de sexta-feira, preferiu ser levado a um hospital privado ao de referência do Samu na região, o Miguel Couto.
Mas se há quem esnobe, outros fazem questão de ser atendidos lá. E o caso da estudante Letícia Aparecida de Almeida, de 19 anos, que mora a cerca de 30 quilômetros do hospital — a cobertura de Cortes fica a 1,5 quilômetro da unidade —, mas só confiou nos médicos do Miguel Couto para examinar seu filho de 2 anos, que se acidentou numa piscina.
— Moro em Curicica. Peguei dois ônibus para chegar aqui. Levamos uma hora e meia com o Henry no colo, chorando de dor, mas não vou ao Lourenço Jorge nem a nenhum outro hospital. O atendimento aqui é melhor — disse ela, que, cerca três horas depois, saía da unidade com o filho imobilizado. — Foi uma fratura de fêmur. Valeu a pena ter vindo aqui.
Acompanhando a mãe numa enfermaria da Clínica Médica desde quarta-feira, o auditor fiscal de qualidade Evandro Marques, de 32 anos, também é só elogios: 

"Vim de Curicica, mas valeu a pena. O atendimento é bom"
Letícia de Almeida
Estudante 
 
— O atendimento aqui é diferenciado. O secretário de Saúde poderia vir para cá. Ele seria bem tratado. E devia ter dado o exemplo. Se todo mundo tem que passar por um hospital público, ele também deveria.
 
PERGUNTAS QUE FICARAM SEM RESPOSTA
 
O PRIVILÉGIO
A Secretaria estadual de Defesa Civil, responsável pelo Corpo de Bombeiros, não respondeu ao EXTRA por que a guarnição que levou Sérgio Cortes para um hospital privado, em vez do de referência, não será punida, já que quebrou uma norma da corporação.
Também não informaram quem deu autorização à equipe para quebrar a regra.
 
A NORMA
A Secretaria de Defesa Civil também não informou a razão de existir uma norma que determina que as vítimas sejam levadas apenas para os hospitais de referência da rede pública.
 
ATENDIMENTO DO SAMU
A assessoría de imprensa dos Bombeiros respondeu que não informaria quantas remoções foram feitas para hospitais públicos e para hospitais particulares desde o ultimo sábado pelas ambulâncias do Samu/GSE.

JORNAL EXTRA

sábado, 27 de outubro de 2012

MULHERES ARRISCAM A LIBERDADE AO TENTAREM ENTRAR EM PRESÍDIOS COM DROGAS, DINHEIRO E OUTROS OBJETOS



Cobertura de secretário estadual de Saúde pega fogo na Lagoa

Um incêndio destruiu a cobertura do secretário estadual de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, na Avenida
Borges de Medeiros, na Lagoa, na madrugada desta sexta-feira. O fogo teria começado numa adega climatizada e foi inicialmente combatido pelo próprio secretário, que já foi médico do Corpo de Bombeiros. Ele retirou os filhos de casa e tentou controlar as chamas com extintores. Côrtes sofreu um corte na perna direita, o que fez com que perdesse muito sangue, e foi retirado do apartamento desacordado devido à quantidade de fumaça que inalou.
O secretário de Saúde foi levado pelos bombeiros para um hospital particular, e não para a unidade pública mais próxima, como acontece em todos os socorros feitos pelo Samu. O Corpo de Bombeiros admitiu a exceção e explicou, em nota, que Côrtes, com plano de saúde, já tinha seu médico à espera no Hospital Samaritano, em Botafogo. “A família optou pela transferência para esta unidade para que ele não ocupasse um leito desnecessariamente”, diz a nota.

Usuários de crack causam incêndio em depósito da DRFA


Usuários de crack causaram um incêndio, na madrugada desta sexta-feira, em um depósito de carros da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), na Avenida Brasil, na altura do Trevo das Margaridas, em Irajá, na Zona Norte. O fogo atingiu diversos carros apreendidos pela especializada. Bombeiros controlaram o fogo, que começou por volta de 1h30m. O trânsito precisou ser interditado.
De acordo com agentes da DRFA e guardas do depósito, é comum que usuários de drogas rondem o local para tentar roubar peças dos veículos para comprarem drogas nas favelas da região.
Um dos seguranças contou que, durante a madrugada desta sexta-feira, alguns usuários fizeram uma fogueira perto da cerca do depósito. O vento estava muito forte e levou as chamas até os veículos, causando o incêndio.
O Corpo de Bombeiros informou que ninguém se feriu. Apenas carcaças de carros foram atingidas. Automóveis que ainda continham combustível foram retirados do local.
O acesso à Avenida Brasil, no sentido Zona Oeste, pela Via Dutra, precisou ser interditado. Os motoristas desviaram o caminho por um campo que fica em frente ao depósito. A via foi liberada ainda de madrugada.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Dono de abrigos do crack já matou 42 - major reformado da PM tem no currículo tiroteios que levaram 42 à morte em três anos

Os tiros a curta distância na cabeça e no antebraço de dois adolescentes, de 16 e 17 anos, mortos num suposto tiroteio, há 12 anos, sintetizam bem o histórico profissional do homem contratado pela Prefeitura do Rio para cuidar de 178 jovens usuários de crack.
No caminho inverso do filantropo presidente da Casa Espírita Tesloo — a cogestora dos cinco centros especializados em dependência química —, os anos de serviço na Polícia Militar fizeram do major reformado Sérgio Pereira de Magalhães Júnior, 42 anos, um colecionador de confrontos armados. Em quatro anos de combate nas favelas, o oficial viu tombar nos tiroteios que protagonizou ao menos 42 pessoas, entre 1999 e 2002. A fama de operacional e destemido valeu a Sérgio Magalhães o título de ‘xerife’ de Magalhães Bastos, onde foi criado e montou a base para seu serviço social. A reboque, virou alvo de investigação, determinada pela Chefia de Polícia Civil em 2008, por suspeita de integrar grupo de milícia na Zona Oeste. O major foi ouvido duas vezes em inquérito na 33ª DP (Sulacap) para apurar a ligação de policiais com grupo que domina as comunidades Sobral e Vila Brasil.
Na lista dos investigados, há três velhos conhecidos de rua do major Júnior — como Sérgio Magalhães aparece na denúncia e, curiosamente, é chamado pelos amigos no bairro. São eles os irmãos Ítalo e Ipólito Pereira Campos, e Jailton Campos, todos PMs e que participaram de mais de uma dezena de trocas de tiros com supostos traficantes, sempre sob a supervisão do oficial, nos tempos de 22º BPM (Maré) e 14º BPM (Bangu).
Sérgio Magalhães e os irmãos Campos formaram uma trinca do barulho nos quartéis e com um gosto pelo atacado: dos 23 autos de resistência registrados pelo major PM nas delegacias do Rio de Janeiro e batalhões onde trabalhou, em pelo menos um terço houve mais de uma vítima. Em um só episódio, na Favela da Coreia, em 2001, foram cinco mortes. E mais: a precisão dos tiros do oficial é impecável. Quase sempre os supostos criminosos foram atingidos na cabeça e no peito.

Rápido no gatilho

A rapidez com o gatilho nas operações policiais se mostrou eficiente também na administração da Casa Espírita Tesloo. Sérgio fundou a instituição em 2002 com um grupo de amigos e parentes. Até hoje, a mãe do oficial e o irmão, cabo da PM, têm cargos na ONG e a mulher, Sabrina Fernandes, faz parte do grupo administrativo.

Em três anos, Sérgio Magalhães fincou o pé na Prefeitura do Rio e não saiu mais. Mesmo sem qualificação, conseguiu angariar R$ 1,8 milhão em verbas para cuidar dos menores abandonados e famílias desamparadas. Mas o pulo do gato veio mesmo em 2009. De lá para cá, o combate ao crack e o acolhimento de crianças e adolescentes injetaram R$ 78 milhões na casa espírita e deram ao major o título de rei da internação compulsória.

Reforma por invalidez não freou troca de tiros

Amigos em Magalhães Bastos e na Justiça. Ítalo e Ipólito Campos são testemunhas em ação na 4ª Vara de Fazenda Pública em que o major pede à PM o reconhecimento da reforma por doença adquirida no trabalho. Magalhães alega que em operação na Favela Nova Brasília, em 2003, caiu de uma casa e feriu duas vértebras. Parecer do setor de neurocirurgia do Hospital da PM, assinado pelo urologista Frederico Antônio Capper, atestou invalidez permanente.

O problema cervical, no entanto, não o impediu de entrar em favela e atirar em bandidos. Em 2007, foi chamado em casa por amigo, de madrugada, e foi sozinho à Favela do Fumacê, em Realengo, recuperar carro roubado. Na 33ª DP, Magalhães afirmou que só rumo à delegacia notou o corpo de um homem no banco traseiro. Em 2011, saiu de moto e recuperou veículo de outro amigo, em Deodoro. Na ação, trocou tiros com Patrick da Silva e Silva, que morreu com duas balas na cabeça.

Tiros certeiros na cabeça e no peito

Nos laudos cadavéricos dos mortos em confronto com o major, mais de 60% das vítimas foram atingidas na cabeça, no peito e no antebraço. As marcas sinalizam tentativa da vítima de se defender com o braço diante da arma. Foi o que aconteceu com Leonardo Mendonça Leocádio, 16 anos, e Juliano Domingos Monteiro, 17, mortos na Favela 48, em Bangu, em 2000. O primeiro levou três tiros no pescoço, um na cabeça e quatro no braço direito. O amigo, dois no peito e dois no braço direito.

A maioria das 42 mortes ainda são investigadas nas delegacias ou no Ministério Público: seis viraram inquéritos arquivados e 23 desses autos de resistência, elogio na ficha funcional.

JORNAL O DIA