quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Contribuição Social de Iluminação Pública

QUER SABER QUANTO CUSTOU A APROVAÇÃO DA COSIP? 

Sabe aquelas faixas rotas, pintadas a mão, que poluem mais ainda a vista, geralmente colocadas próximos à entrada de favelas ou bairros pobres, em que invariavelmente está escrito "A COMUNIDADE AGRADECE AO VEREADOR FULANO DE TAL A REFORMA DA REDE ELÉTRICA, ou a CONCLUSÃO DA OBRA TAL"? Sabe do que estou falando? Pois na rádio-corredor da Câmara dos Vereadores do Rio não se fala de outra coisa: a aprovação da COSIP (Contribuição Social de Iluminação Pública) vai custar os olhos da cara ao bolso do contribuinte, já que o trabalho que deveria ser apenas obrigação da Rio Luz poderá vir a ser 'ofertado' (veja bem, poderá) por cada um dos 34 vereadores que nadaram contra a corrente na quarta-feira da semana passada, autorizando que, a partir do ano que vem, a Light, esta empresa modelo que quase não tem prejudicado os cariocas, repasse R$ 120 milhões a cada mês aos cofres da prefeitura através da cobrança desta taxa. Falam em 500 postes por vereador! Meu Deus...será verdade?

A pratica, infelizmente, se tornou rotineira entre os edis e, diga-se a verdade, já faz parte do jogo na relação prefeito/vereadores há muito, mas muito tempo. É um reflexo da distorção do sistema político brasileiro, reformado pela Ditadura, que impede a representação mais próxima do povo - a lista fechada e o voto distrital seriam melhores. O que acontece hoje na Câmara dos Vereadores acontece também na Assembléia Legislativa e no Congresso Nacional. É o varejo do toma lá, dá cá. Para ter seus projetos aprovados, independentemente de serem positivos ou não à população, os membros do Executivo entram neste jogo pérfido. E privatizam as benfeitorias do Estado.

Reparar postes queimados e ou acesos durante o dia é uma obrigação da administração municipal. Mas se é possível fazer e ainda por cima faturar politicamente com isto, o que acontece? Bingo! Eu não escrevo a resposta para não ser processado. Tal fato já acontece com os famosos centros sociais que garantem a eleição e reeleição perétua de vereadores, que os TREs da vida quase nunca conseguem pegar. É notório que a ausência do Estado, o desmanche da saúde pública abre brechas para que os vereadores ocupem esta lacuna com seus postos, oferecendo médicos, dentaduras, óculos. Eles são "amigos" do povo. Resta saber onde conseguem a verba para mantê-los.

ANDRÉ BALOCCO 

  
A lista dos que votaram a favor da Cosip:
Adilson Pires (PT)
Aloísio Freitas (DEM)
Aspásia Camargo (PV)
Bencardino (PRTB),
Chiquinho Brazão (PMDB),
Claudinho da Academia (PSDC),
Cristiano Girão (PMN),
Dr. Carlos Eduardo (PSB),
Dr.Fernando Morais (PR),
Dr. Gilberto (PTdoB),
Dr. Jairinho (PSC),
Dr. Jorge Manaia (PDT),
Elton Babu (PT),
Fausto Alves (PTB),
Ivanir de Mello (PP),
Marcio Pacheco (PSC),
João Mendes de Jesus (PRB),
Jorge Braz (PTdoB),
Jorge Felippe (PMDB),
Jorge Pereira (PTdoB),
Jorginho da SOS (DEM),
Leonel Brizolla Neto (PDT),
Liliam Sá (PR),
Luiz Carlos Ramos (sem partido),
Marcelo Piuí (PHS).
Nereide Pedregal (PDT),
Professor Uóston (PMDB),
Renato Moura (PTC),
Roberto Monteiro (PCdoB),
Rogério Bittar (PSB),
Rosa Fernandes (DEM),
S. Ferraz (PMDB),
Tânia Bastos (PRB),
Vera Lins (PP)

3 comentários:

COTURNO CARIOCA disse...

Somos todos um monte de acomodados que só sabemos reclamar nas sessões de cartas do jornais e em fóruns de discussão como esse...Eu quero ver é ir pra rua protestar e exigir respeito.

Anônimo disse...

É até possivel mudar a situação com uma ação coordenada da população consciente, que precisa organizar-se. Ir pra rua como massa em descontrole só reforça o poder de quem, não deveria em tese de o poder.
Sabemos que a nossa democracia é frágil mas as eleições são os momentos em que consolidamos essa fragilidade, votando em uma série de pessoas desqualificada. O correto seria ter um povo consciente e que pensasse em revolução, mas esquece, brasileiro é bom mesmo como carneiro, pastando e berrando ou chorando.

Barão disse...

caixinha para eleições