sexta-feira, 27 de março de 2009

NA HORA ERRADA NO LOCAL ERRADO!...É MUITO AZAR!

José Carlos Barbosa, de 22 anos, era traficante de drogas e morreu durante uma troca de tiros com policiais militares. De acordo com a polícia, José Carlos estava portando uma pistola 7.65 e carregava cerca de 106 papelotes de cocaína, 24 pedras de crack e 52 trouxinhas de maconha. Ele era irmão de um dos três jovens mortos no ano passado por traficantes do Morro da Mineira.
PORTANTO ELE ESTAVA NA HORA ERRADA NO LOCAL ERRADO!

Mãe *denuncia a OAB/RJ execução de outro filho na Providência http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2009/3/mulher_denuncia_a_oab_rj_execucao_de_outro_filho_na_providencia_2632.html

A Rede Globo, a OAB e as ONGS defensoras dos Direitos Humanos
Elas fizeram questão de apoiar na época o caso para criar na população um clima de alerta. Isso seria o ideal se esses atos não fossem comandados e talvez `pagos` pelos maiores interessados, que são os traficantes e marginais, para desvalorizar o exército e as polícias impedindo-as subir nas favelas.
Vejam a realidade: Segundo os registros, os três civis "inocentes" entregues pelo exército à traficantes, possuíam passagem pela polícia `e que passagem`.
David Wilson Florenço da Silva, conhecido como "Deivão", foi preso em flagrante, em junho de 2004, por porte ilegal de munição e corrupção de menores. Também seria segurança do traficante Carlinhos Fininho, gerente da boca de fumo do Morro da Providência, favela dominada pela facção criminosa Comando Vermelho (CV).
Marcos Paulo Rodrigues Campos, era primo do traficante Carlinhos Fininho e provavelmente prestava serviços como segurança da boca-de-fumo. A mãe adotiva de Marcos, Maria de Fátima Barbosa*, foi presa em flagrante delito pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, no dia 18 de dezembro de 2004, em companhia de três cidadãos, por estarem de posse de 04 (quatro) fuzis, sendo três de calibre 7.62mm e um de calibre .223, além de cartuchos de munição para os calibres supra citados.
Wellington Gonzaga da Costa Ferreira, também conhecido como "Negão" possui registro policial por ser acusado de associação para o tráfico, em maio de 2006. Seria também segurança do traficante Carlinhos Fininho. Lílian Gonzaga da Costa de Souza, mãe de Wellington, já foi presa por posse de cocaína, em 2001.

2 comentários:

ARMANDO disse...

Nenhum relator foi designado para prestar assistência jurídica à família de um policial militar morto em combate!!!!

Anônimo disse...

A POLÍCIA NÃO DEVERIA TER IDO AO MORRO ATRAPALHAR A VENDA DE DROGAS. QUEM NÃO TRABALHA NÃO ERRA E QUEM NÃO ERRA NÃO SERÁ PUNIDO!